Crescimento Micelial de Alternaria solani Na Presença De Extratos Vegetais
PDF

Palavras-chave

controle botânico
extrato aquoso
propriedades fungitóxicas
patógeno.

Como Citar

Pedroso, D. C., Junges, E., Menezes, V. O., Muller, J., Girardi, L. B., de Tunes, L. M., Muniz, M. F. B., & Dill, A. (2009). Crescimento Micelial de Alternaria solani Na Presença De Extratos Vegetais. Revista Brasileira De Agroecologia, 4(2). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/9521

Resumo

A utilização de plantas com atividade antifúngica vem se mostrando uma linha de pesquisa bastante ampla, visto que a sociedade está buscando consumir produtos que utilizem o mínimo possível de substâncias sintéticas para o controle de doenças de plantas. O potencial de extratos no controle de fitopatógenos se deve a sua ação fungitóxica, a qual é responsável pela inibição do crescimento micelial. Neste trabalho, foram testados os extratos aquosos de arruda (Ruta graveolens), louro (Laurus nobilis), alho (Allium sativum) e manjericão (Ocimum basilicum), nas concentrações de 0, 10, 20 e 30% no crescimento micelial de Alternaria solani. As avaliações foram feitas pela média de duas medidas, diametralmente opostas, às 24, 48, 72 e 96h após a instalação do experimento. Alternaria solani é suscetível à exposição a extratos vegetais com propriedades fungitóxicas, sendo que pequenas concentrações (10%) do produto botânico, já são suficientes para uma eficiente inibição do crescimento micelial do patógeno.
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são dos autores, com direitos de primeira publicação para a revista.

Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.