Pó de Basalto: Alternativa Agroecológica de Baixa Emissão de CO2 à Correção da Acidez do Solo

Palavras-chave

rochagem
calcário
corretivo de acidez
efeito estufa

Como Citar

Gourete Duarte, E. M., Mundstock Xavier de Carvalho, A., Ferreira de Freitas Simões, D., & Wilson Vargas de Mello, J. (2009). Pó de Basalto: Alternativa Agroecológica de Baixa Emissão de CO2 à Correção da Acidez do Solo. Revista Brasileira De Agroecologia, 4(2). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/9109

Resumo

Considerando a emissão de CO2 à atmosfera como um preço a ser pago pela elevação do pH do solo pelos corretivos, pode-se assumir que um corretivo eficiente é aquele que eleva mais o pH por unidade de CO2 emitido. Rochas silicatadas, embora menos eficazes que os calcários, podem representar uma alternativa agroecológica de baixa emissão de CO2 à correção da acidez do solo. Dessa forma, os objetivos deste trabalho foram avaliar o aumento do pH e a emissão de CO2 em um Latossolo incubado com diferentes doses de rocha calcária e basáltica. O pó de basalto mostrou-se capaz de elevar o pH do solo, em menores magnitudes que o calcário, mas tendendo a atuar por mais tempo. As emissões de CO2 são muito inferiores por tonelada de material aplicado para o pó de basalto, e a eficiência de correção da acidez do solo por tonelada de CO2 liberado à atmosfera se iguala ao calcário em doses elevadas.

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são dos autores, com direitos de primeira publicação para a revista.

Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.