Comportamento do Tomate Santa Clara em 5 Diferentes Substratos

Palavras-chave

substrato
composto
tomate
pó de basalto.

Como Citar

Ribeiro, M. D., Pereira, D., Bernardi, F., Soares, L., Góis, J. F., Costa, L. A. M., & Costa, M. S. S. M. (2009). Comportamento do Tomate Santa Clara em 5 Diferentes Substratos. Revista Brasileira De Agroecologia, 4(2). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/8978

Resumo

O presente trabalho objetivou avaliar diferentes misturas de composto com pó de basalto, comparando-os com substrato comercial Plantmax®. O experimento foi conduzido sob tela tipo sombrite, localizada na área experimental da UNIOESTE, em Cascavel – Paraná – BR. Os substratos avaliados foram T0) substrato comercial; T1) 100% de composto; T2) 90% de composto + 10% de pó de basalto; T3) 80% de composto + 20% de pó de basalto; T4) 70% de composto + 30% de pó de basalto. Para a segunda época de avaliação os tratamentos T3 e T4 apresentaram melhor desempenho para MSR (matéria seca de raiz), enquanto que o melhor desempenho para MSPA (matéria seca de parte aérea) foi do tratamento T4. Para o CPA (comprimento de parte aérea) os dois tratamentos com melhor desempenho foram T2 e T3. O substrato T0 foi o que apresentou os maiores CR (comprimento de raiz). Pelos resultados apresentados neste trabalho, pode-se recomendar os substratos orgânicos para obtenção de mudas de tomate.

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são dos autores, com direitos de primeira publicação para a revista.

Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.