Utilização de Composto Orgânico como Substrato na Produção de Mudas de Tomate
PDF

Palavras-chave

resíduos
pó de rocha
hortaliças

Como Citar

Monteiro, V. H., Pereira, D. C., de Souza, C. H. W., Moreira, S., Soares, L. R., Costa, L. A. de M., & Costa, M. S. S. de M. (2009). Utilização de Composto Orgânico como Substrato na Produção de Mudas de Tomate. Revista Brasileira De Agroecologia, 4(2). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/8458

Resumo

Visando determinar a viabilidade da utilização de compostos orgânicos obtidos com podas de árvores e vísceras de abate de frango como substratos na produção de mudas de tomateiro para a cultivar Giuliana, realizou-se um experimento na UNIOESTE – PR. Foi utilizado um delineamento experimental ao acaso com cinco tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos foram: Plantmax (T0) como testemunha, composto orgânico (T1), composto orgânico + 10% de pó de rocha (T2), composto orgânico + 20% de pó de rocha (T3) e composto orgânico + 30% de pode rocha (T4). O cultivo foi feito em bandejas de 200 cavidades e as avaliações foram realizadas em dois períodos: 23 e 47 dia após semeadura. Os parâmetros avaliados foram: diâmetro do coleto, comprimento de raiz e parte aérea, massa seca de raiz e parte aérea. Na primeira época de avaliação não houve diferença estatística entre os tratamentos para os parâmetros estudados exceto o comprimento de raiz que obteve maior media no substrato comercial. Para a segunda época de avaliação, em todos os parâmetros avaliados os substratos em cuja composição estava o composto orgânico foram superiores em relação ao substrato comercia
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são dos autores, com direitos de primeira publicação para a revista.

Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.