Avaliação do Uso do Extrato Aquoso de Hortelã em Diferentes Concentrações Sobre o Crescimento Micelial do Penicillium sp.
PDF

Palavras-chave

Mentha sativa L.
controle alternativo
plantas medicinais.

Como Citar

Rosal, L. F., Leite, C. D., Maia, A. J., Faria, C. M. D. R., Baldin, I., Marcondes, M. M., & Marcondes, M. M. (2009). Avaliação do Uso do Extrato Aquoso de Hortelã em Diferentes Concentrações Sobre o Crescimento Micelial do Penicillium sp. Revista Brasileira De Agroecologia, 4(2). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/8374

Resumo

Conduziu-se este estudo, com o objetivo de avaliar a atividade antimicrobiana in vitro do extrato bruto aquoso obtido a partir de folhas de Mentha sativa L., sobre o desenvolvimento micelial do fungo Penicillium. O extrato foi obtido a partir da infusão de folhas secas de M. sativa acrescida ao meio de cultura BDA nas concentrações 20, 40 e 80%, exceto na testemunha. Inoculou-se discos de micélio de Penicillium sp. mantidos em câmara de crescimento a 22ºC durante 96 horas. Avaliou-se o crescimento micelial através de medidas opostas da colônia fúngica. Constatou-se que, nas condições testadas, a adição das soluções de hortelã ao meio não foram eficazes quanto ao controle de Penicillium in vitro, pois à medida que se aumentou a dosagem aplicada ao meio, houve uma resposta de crescimento micelial até a concentração de 40%, com uma discreta redução nos valores de área preenchida pelo fungo nas placas na concentração 80%.
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são dos autores, com direitos de primeira publicação para a revista.

Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.