Degradação in situ da Matéria Seca de Feno de Mata-pasto (Senna obtusifolia L. Irwin) em Diferentes Fases Vegetativas
PDF

Palavras-chave

Forrageiras Nativas
Conservação
Nutrição

Como Citar

Araujo Filho, jaime M. de A. F. J. M., Costa, T. G. P. C. T. G., Carneiro, M. S. de S. C. M. S., Silva, A. M. de A. S. A. M., Pinto, M. do S. de C. P. S. P., & Batista, J. A. B. J. A. (2009). Degradação in situ da Matéria Seca de Feno de Mata-pasto (Senna obtusifolia L. Irwin) em Diferentes Fases Vegetativas. Revista Brasileira De Agroecologia, 4(2). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/7970

Resumo

Devido à importância das plantas nativas para a sustentabilidade dos sistemas agroecológicos, objetivou-se com este trabalho, avaliar as características nutricionais, através da degradação ruminal, visando determinar a melhor fase para o corte e fenação do mata-pasto. O mata-pasto foi avaliado na fase de floração e na fase de frutificação, segundo suas características químicas (MS, PB, FDN, FDA, CHOT, CNF, MO, EE, FDNcp, lignina, PIDN, PIDA e TT) e a degradabilidade ruminal da Matéria seca , verificando-se que na fase de floração, o mesmo apresentou maior teor de PB e CNF, e teores menores de FDN, FDA e Lignina, aos encontrados no mata-pasto na fase de frutificação. De acordo com a degradação in situ, o feno na fase de floração apresentou maior fração solúvel, degradação potencial e efetiva (2, 5 e 8%/h) e menor fração não-degradável, do que o feno em fase de frutificação. Sendo assim, com melhores características nutricionais do que na fase de frutificação.
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são dos autores, com direitos de primeira publicação para a revista.

Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.