A Teoria da Trofobiose sob a abordagem sistêmica da agricultura: eficácia de práticas em agricultura orgânica.
PDF

Palavras-chave

Trofobiose
abordagem sistêmica
agricultura orgânica.

Como Citar

Vilanova, C., & Silva Júnior, C. D. da. (2009). A Teoria da Trofobiose sob a abordagem sistêmica da agricultura: eficácia de práticas em agricultura orgânica. Revista Brasileira De Agroecologia, 4(1). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/7550

Resumo

Na agricultura, o enfoque sistêmico é cada vez mais necessário, devido à crescente complexidade de sistemas organizados e manejados pelo homem e da emergência do conceito de sustentabilidade. Na abordagem sistêmica se busca entender as interações de fatores e a complexidade ambiental, com o estudo do desempenho total de sistemas, em vez de se concentrar isoladamente nas partes. A resistência fisiológica vegetal, que tem uma das bases na teoria da Trofobiose, contempla uma visão sistêmica, considerando que o ambiente de uma planta cultivada individual é composto de muitos fatores que interagem. O manejo sustentável do agroecossistema requer o conhecimento da complexidade do ambiente e de como os fatores podem ser manejados. De acordo com a Teoria da Trofobiose, todo organismo vegetal fica vulnerável à infestação de pragas e doenças quando há excessos de aminoácidos livres e açúcares redutores no sistema metabólico. No presente estudo, com base em princípios e métodos agroecológicos, procura-se determinar quais as práticas de agricultura orgânica podem ser mais eficazes na contribuição ao equilíbrio trofobiótico e como a trofobiose está diretamente relacionada ao manejo agroecológico das culturas, contribuindo para a resistência fisiológica vegetal e caracterizando-se como um mecanismo de sustentabilidade do agroecossistema.
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.