GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE MELISSA COM DIFERENTES ORIGENS.
PDF

Como Citar

Wanderer, M., Franke, L. B., & Barros, I. B. I. de. (2007). GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE MELISSA COM DIFERENTES ORIGENS. Revista Brasileira De Agroecologia, 2(1). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/6494

Resumo

A melissa (Melissa officinalis L.) da família labiatae (Lamiaceae) possui diversos empregos na medicina, sendo seus principais componentes o óleo essencial e taninos, além de ácidos triperpenóides e flavonóides. No Brasil, a melissa não produz sementes, portanto, as mudas são produzidas por estacas ou por sementes importadas. No processo por estacas, no entanto, o enraizamento é baixo, sendo recomendada a importação de sementes. As sementes disponíveis no mercado, no Rio Grande do Sul, são provenientes da França e da Holanda, as quais foram submetidas a um teste de germinação. Os resultados indicaram que as sementes da França têm germinação superior (91%) às sementes da Holanda (78%). PALAVRAS-CHAVES: Melissa officinalis L., teste de germinação, propagação, planta medicinal.
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.