CONTROLE DE CANCRO CÍTRICO EM POMAR DE LARANJEIRA ‘MONTE PARNASO’ EM TRANSIÇÃO AO SISTEMA ORGÂNICO DE CULTIVO
PDF

Como Citar

Panzenhagen, N. V., Sartori, I. A., Oliveira, R. B. L. de, Shäfer, G., Theisen, S., Nunes, D. S., Dal Soglio, F. K., & Koller, O. C. (2006). CONTROLE DE CANCRO CÍTRICO EM POMAR DE LARANJEIRA ‘MONTE PARNASO’ EM TRANSIÇÃO AO SISTEMA ORGÂNICO DE CULTIVO. Revista Brasileira De Agroecologia, 1(1). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/6095

Resumo

A adoção de métodos de erradicação do cancro cítrico, no Rio Grande do Sul, acarretaria em sérios problemas econômicos e sociais, visto que a citricultura no Estado é fundamentada em pequenos pomares, com área média de 2 a 3 hectares e de exploração familiar. Neste sentido, foi instalado um experimento de controle de cancro cítrico em pomar de laranjeiras ‘Monte Parnaso’ em transição ao sistema orgânico de cultivo, com sete anos de idade, no município de Montenegro/RS. Em julho de 2001 foi feita uma poda leve de raminhos e folhas com lesões da doença. O material podado foi deixado ao solo, junto às plantas. O delineamento experimental constou de cinco tratamentos, quatro repetições e quatro plantas úteis por parcela. Os tratamentos foram os seguintes: a) Testemunha, sem pulverização com calda bordalesa; b) Uma pulverização a 0,5% de calda bordalesa, de 12 a 15 dias após o início de cada fluxo de brotação; c) Uma pulverização a 1,0 % de calda bordalesa, de 12 a 15 dias após o início de cada fluxo de brotação; d) Duas pulverizações a 0,5 % de calda bordalesa, de 12 a 15 dias e aos 21 dias após o início de cada fluxo de brotação; e) Duas pulverizações a 1,0 % de calda bordalesa, de 12 a 15 dias e aos 21 dias após o início de cada fluxo de brotação. Os principais fluxos vegetativos ocorreram no início de setembro, início de dezembro e meados de fevereiro. A adubação do pomar foi realizada através da aplicação de biofertilizante da ECOCITRUS, em fevereiro e julho de 2002. Neste mês foi feita a semeadura de ervilhaca nas entrelinhas do pomar. Os resultados demonstram que as pulverizações com calda bordalesa diminuem o ataque de cancro cítrico, com melhor resposta na concentração de 1,0%, quando as brotações de cada ciclo vegetativo estiverem com 12 a 15 dias de idade. Palavras-chave: citros; Xanthomonas axonopodis pv. citri; calda bordalesa.
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.