REAÇÃO DE CULTIVARES CRIOULAS DE FEIJÃO DO RIO GRANDE DO SUL A ISOLADOS DE Colletotrichum lindemunthianum, AGENTE CAUSAL DA ANTRACNOSE

Como Citar

Antunes, I. ferreira, Santin, R. de C. M., Chollet, C. B., Fernandes, R. A. M. L., Campos, Ângela D., Mastrantonio, J. J. da S., Emygdio, B. M., Rodrigues, L. S., Ribeiro, L. S., & Brancão, N. (2006). REAÇÃO DE CULTIVARES CRIOULAS DE FEIJÃO DO RIO GRANDE DO SUL A ISOLADOS DE Colletotrichum lindemunthianum, AGENTE CAUSAL DA ANTRACNOSE. Revista Brasileira De Agroecologia, 1(1). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/6070

Resumo

Cultivares resistentes, constituem a forma ecologicamente mais favorável de controle da antracnose, a doença mais importante em cultivos de feijão no Rio Grande do Sul. Cultivares crioulas, utilizadas por longos períodos, podem constituir-se em excelentes fontes de resistência à doença, seja pelo uso direto, seja em programas de melhoramento. Por meio de inoculações artificiais em casa-de-vegetação, 45 cultivares crioulas foram testadas frente a isolados de antracnose coletados no Rio Grande Sul. Detectaram-se seis cultivares em cuja composição observaram-se plântulas resistentes a todos os isolados testados, sendo cinco destas cultivares de grãos-de-cor. Foi observado, de acordo com o isolado testado, um alto grau de heterogeneidade de respostas das plântulas constituintes destas cultivares. Estas cultivares constituem-se em valiosa fonte de genes para programas de melhoramento para resistência à antracnose. PALAVRAS-CHAVE: Phaseolus vulgaris, resistência a doenças, variedades locais

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.