RENDIMENTO DA ALFACE EM AMBIENTE PROTEGIDO SUBMETIDA A DIFERENTES ADUBOS ORGÂNICOS
PDF

Como Citar

Krolow, I., Silveira, G., Oliveira Filho, L., Kholer, C., Morselli, T., Teixeira, C., & Vitória, D. (2006). RENDIMENTO DA ALFACE EM AMBIENTE PROTEGIDO SUBMETIDA A DIFERENTES ADUBOS ORGÂNICOS. Revista Brasileira De Agroecologia, 1(1). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/5987

Resumo

Em experimento realizado em estufa plástica modelo capela, na Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel/UFPel, Capão do Leão/RS, avaliaram-se respostas agronômicas da alface Lactuca Sativa L, cultivar crespa, utilizando-se como substrato um solo classificado como Planossolo Hidromórfico Eutrófico Solódico. Os tratamentos compostos por adubações orgânicas após análises químicas, foram definidos a partir da recomendação realizada pelo Manual da Rede Oficial de Laboratórios de Solos do RS e SC (ROLAS),. O conjunto de tratamentos testados foram: T1 (Testemunha), T2 (Vermicomposto Extremo Sul 40 g), T3 (Vermicomposto bovino 40 g), T4 (Vermicomposto Eqüino 40 g), T5 (Vermicomposto Codorna 40 g) e T6 (Vermicomposto Café 50 % + Erva Mate 50 % 150 mL). Utilizaram-se vasos com capacidade de 6 kg, os quais foram mantidos na capacidade de campo até o final do experimento. As mudas foram produzidas em sistema ¨floating¨, no mesmo ambiente onde foi instalado o experimento. O transplante foi feito aos 20 dias quando as mudas apresentaram 5 folhas definitivas. A colheita das plantas ocorreu quando estas atingiram o diâmetro de comercialização. As variáveis analisadas foram: número de folhas, diâmetro da planta e área foliar , fitomassas fresca e seca da parte aérea realizadas no final do experimento. Observou-se para todas as variáveis estudadas que houve diferença entre os tratamentos, destacando-se o tratamento T2, concluindo-se que o vermicomposto Extremo Sul obteve respostas mais eficiente na produção da alface para a cultivar estudada. Palavras-chaves: Lactuca Sativa L., adubação orgânica.
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.