AGROTÓXICOS, SEMENTES TRANSGÊNICAS E NOVAS BIOTECNOLOGIAS
PDF

Palavras-chave

Agronegócio
Organismos Geneticamente Modificados
Impactos Socioambientais

Como Citar

Souza, M. M. O., Melgarejo, L., Silva Neto, C. de M. e, & Folgado, C. A. R. (2020). AGROTÓXICOS, SEMENTES TRANSGÊNICAS E NOVAS BIOTECNOLOGIAS: AMARRAS HISTÓRICAS E TENDÊNCIAS ATUAIS. Revista Brasileira De Agroecologia, 14(2), 14. https://doi.org/10.33240/rba.v14i2.22988

Resumo

Os agrotóxicos e as sementes transgênicas têm representado um símbolo na consolidação do agronegócio como paradigma técnico, político e ideológico para o campo brasileiro. Podemos incluir nesse pacote, há alguns anos, as novas biotecnologias de manipulação genética. Tal pacote, embora apresentado como necessário ao desenvolvimento nacional, atua no sentido de ampliar os impactos socioambientais, afetando populações do campo e da cidade. Este texto objetiva contribuir para reflexões acerca das amarras históricas que levaram à consolidação do agronegócio, fortalecendo o mercado de agrotóxicos e sementes, agora renovado pela adoção acrítica das novas biotecnologias. O texto se apoia em revisão de literatura e interpretação de dados de fontes secundárias, bem como no acompanhamento do cotidiano político e produtivo conduzido por operadores do Grupo de Trabalho Agrotóxicos e Transgênicos, da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA). Os resultados da análise realizada indicam o crescimento no uso de agrotóxicos e transgênicos desproporcional ao crescimento da produção e produtividade agrícola no país, o que nos leva a concluir que há um esgotamento deste modelo, desde que historicamente não apresentou as respostas prometidas.

https://doi.org/10.33240/rba.v14i2.22988
PDF

Referências

ALVES, A.; FLORES, M. X. A política nacional de defensivos agrícolas. In: IX SECITAP – Semana de Ciência e Tecnologia em Agropecuária. Universidade Estadual Paulista (UNESP), Jaboticabal/SP, 1984. p. 01-21.

ALVES FILHO, J. P. Uso de agrotóxicos no Brasil: controle social e interesses corporativos. São Paulo: Annablume; FAPESP, 2002.

BOARDMAN, R. Pesticides in world agriculture: the politics of international regulation. New York: Palgrave Macmillan, 1986.

BULL, D.; HATHAWAY, D. Pragas e venenos: agrotóxicos no Brasil e no terceiro mundo. Petrópolis: Vozes, 1986.

CAMPANHOLA, C.; BETTIOL, W. Panorama sobre o uso de agrotóxicos no Brasil. In: CAMPANHOLA, C.; BETTIOL, W. (Ed.). Métodos alternativos de controle fitossanitário. Jaguariuna: Embrapa Meio Ambiente, 2003. 279 p. 13-51.

CONAB. 2017. Companhia Nacional de Abastecimento. Série história de área plantada, produtividade e produção. Disponível em: <http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1252&t=>. Acesso em: 20 set. 2017.

DELGADO, G. C. Do Capital Financeiro na Agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século. Porto Alegre, UFRGS, 2012.

FAOSTAT. Food and agriculture data. 2017. Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO). Disponível em: <http://www.fao.org/fao¬stat/en/#home>. Acesso em: 20 de maio 2019.

FONSECA, M. T. L. Extensão Rural no Brasil: um projeto educativo para o capital. São Paulo: Loyola, 1985.

FRIGO, D.; BITTENCOURT, N. A.; ISAGUIRRE-TORRES, K. L. As novas formas de biotecnologias agrícolas e a desregulação jurídica: o Estado neoliberal e a incidência do agronegócio no Brasil. Curitiba/Berlin: Terra de Direitos/FDCL, 2018. Disponível em:
IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Agrotóxicos. Disponível em: <http://ibama.gov.br/agrotoxicos> Acesso em: 15 maio 2019.
ISAAA. International Service for the Acquisition of Agri-biotech Applications. Disponível em: <http://www.isaaa.org/inbrief/default.asp>. Acesso em: 25 de ago. 2017.

KAGEYAMA, A. (Org.). O novo padrão agrícola brasileiro: do complexo rural aos complexos agroindustriais. Campinas: Agricultura e Políticas Públicas, 1987.

MAZZETTO SILVA, Carlos E. 2006. Os Cerrados e a sustentabilidade: territorialidades em tensão. Tese (Doutorado em Ordenamento Territorial e Ambiental), Universidade Federal Fluminense, Niterói/RJ, 2006.

MENDONÇA, S. R. Ensino agrícola e influência norte-americana no Brasil (1945-1961). Revista Tempo, vol.15, n.29, Dez. 2010. p.139-165.

MULLER, G. Complexo agroindustrial e modernização agrícola. São Paulo: HUCITEC, 1989.

PEIXOTO, M. Extensão rural no Brasil: uma abordagem histórica da legislação. Textos para Discussão – 48. Brasília: Consultoria Legislativa do Senado Federal, 2008. Disponível em: <https://www12.senado.leg.br/publicacoes/estudos-legislativos/tipos-de-estudos/textos-para-discussao/td-48-extensao-rural-no-brasil-uma-abordagem-historica-da-legislacao>. Acesso em: 15 de maio 2019.

PESSANHA, B. M. R. O defensivo agrícola. In: GRAZIANO NETO, F. (org.) Uso de agrotóxicos e receituário agronômico. São Paulo: Agroedições, 1982. p. 7-36.

PINHEIRO, S.; AURVALLE, A. E.; GUAZELLI, M. J. Agropecuária sem veneno. Porto Alegre: LP&M, 1985.

PINHEIRO, S.; NASR, N. Y.; LUZ, D. Agricultura ecológica e a máfia dos agrotóxicos no Brasil. Rio de Janeiro: Edição dos autores, 1998.
PURNHAGEN, K. P.; KOK, E.; KLETER, G.; SCHEBESTA, H.; VISSER, R.G.F; WESSLER, J. The European Union Court´s Advogate General´s opinion and new plant breeding techniques. Nature Biotechnolohy, vol 36, n.7, july 2018.
RIBEIRO, A. D. (ed.) Agroceres 70 anos: você vê, você confia. São Paulo/SP: DBA editora, 2015.

RIBEIRO, S. Novos transgênicos: alertas sobre câncer e toxicidade -Estudos recentes desmentem de forma contundente que estes novos transgênicos não apresentam riscos. ETC. ALAI, Agosto de 2018. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2018/08/08/artigo-or-novos-transgenicos-alertas-sobre-cancer-e-toxicidade/>. Acesso em: 22 de maio 2019.

ROZEMBERG, B.; PERES, F. Reflexões sobre a educação relacionada aos agrotóxicos em comunidades rurais. In: PERES, F.; MOREIRA, J. C. (org.). É veneno ou é remédio? Agrotóxicos, saúde e ambiente. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2003. p. 367-384.

SHIKI, S. Impacto das inovações da agricultura tropical brasileira sobre o desenvolvimento humano. In: SAUER, S.; BALESTRO, M. V. (Org.). Agroecologia: os desafios da transição agroecológica. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 141-175.

SHIVA, V. The violence of the green revolution. London: Zed book ltd., 1993.

SILVA, J. G. A modernização dolorosa: estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

SINDIVEG. Sindicato Nacional da Indústria de Defesa Vegetal. Consumo de agrotóxicos no Brasil. Disponível em: <http://sindiveg.org.br/estatisticas-do-setor/>. Acesso em: 10 de out. 2016.

SOUZA, M. M. O.; SILVA NETO, C. M.; MELGAREJO, L. Agricultura transgénica e impactos socioambientales: una lectura a partir del cerrado/Brasil. Revista Agroecología, v. 12, n. 2, 2017. p. 59-70.

TERRA, F. H. B. A indústria de agrotóxicos no Brasil. 2008. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Econômico). Departamento de Economia, Setor de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba/PR, 2008.
TERRA, F. H. B.; PELAEZ, V. A história da indústria de agrotóxicos no Brasil: das primeiras fábricas na década de 1940 aos anos 2000. 2008. Disponível em: <http://www.sober.org.br/palestra/13/43.pdf>. Acesso em: 15 de maio 2019.

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.

Métricas

Carregando Métricas ...