UM RIO DE HISTÓRIAS
PDF

Como Citar

Cabral, L. A. da S., Amâncio, C. O. da G., Fernandez, A. C. F., Amâncio, R., Schmitt, C. J., Souza, N. A. de, Gollo, A. M. L., Napoli, E. D., Motta, S. D., Franch, J. L., Mattos, C., Martins, V. R. da S., Martins, A. H., Oliveira, F. J. dos R., Risso, I. A. M., Caldas, L., Palm, J. L., Barbosa, T. M., Santos, D. de S., Batista, N. M., Almeida, M. V. F. de, Santana, B. dos S., Nazário, R. S., Sarmento, B. O., Amaral, Y. N. do, Farias, G. de O., Lemos, T. B., Barbosa, D. de S., & Moreira, R. P. (2018). UM RIO DE HISTÓRIAS. Revista Brasileira De Agroecologia, 13(1). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/22533

Resumo

Este artigo apresenta experiências agroecológicas do estado do Rio de Janeiro, a partir da interação entre o Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão Científica e Tecnológica em Agroecologia da UFRRJ (NIAUFRRJ) e a Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro (AARJ), aqui representadas pelo caso da Caravana Agroecológica e Cultural do Rio de Janeiro (RJ). Para a síntese das narrativas dos atores envolvidos realizamos entrevistas, registro em vídeos e facilitação gráfica tanto no período preparatório, quanto durante a Caravana RJ. Como reflexão de fundo destacam-se: a visibilidade para as denúncias, as lutas dos territórios e os anúncios das alternativas que estão sendo semeadas; além da articulação em rede entre diversos atores, prezando pela indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão para fortalecer a AARJ. Por fim, apresentamos algumas lições apreendidas, os enraizamentos desta experiência e os desafios postos para o fluxo do rio daqui para frente.
PDF

Referências

ABA. Associação Brasileira de Agroecologia. Matriz de Sistematização de Experiências. 2016. Disponível em
http://aba-agroecologia.org.br/wordpress/projetos-e-acoes/matriz-de-sistematizacao-das-experiencias/. Acesso
em: 01 ago. 2017.
CABRAL, L. A. S. A Caravana Agroecológica e Cultural do RJ como Estratégia de Construção do Conhecimento
Agroecológico. Trabalho de Conclusão de curso. Rio de Janeiro: UFRRJ, 2016.
CABRAL, L. A. S.; AMÂNCIO, C. O. G. Caravana Agroecológica e Cultural do Rio de Janeiro: processos educativos e
diálogo de saberes. In: Revista Cadernos de Agroecologia. Anais do II SNEA, Vol. 12, N° 1, Jul. 2017. Disponível em:
<http://aba-agroecologia.org.br/revistas/index.php/cad/article/view/22330/12790>. Acesso em: 01 ago. 2017.
CÂNDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2010.
DEMO, P. Metodologia cientifica em ciências sociais. - 3. Ed. Ver. e ampl. – 15. Reimpr. – São Paulo: Atlas, 2012.
FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra (17ª ed.), 1987.
GOLLO, A. et al. Por que saber se alimentar é um ato político? O Almoço agroecológico em Casimiro de Abreu –
RJ. Release AARJ. Rio de Janeiro, 2016.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Disponível em:
<http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em: 06 jul. 2017.
JARA, H. O. A sistematização de experiências: prática e teoria para outros mundos possíveis. 1 ed. Brasília, DF:
CONTAG, 2012.
LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU, pp. 25-44, 1986.
PIAGET, J. Seis estudos de psicologia. 24 ed. Rio de Janeiro. Forence Universitária, 2003.
ROCHA, M. T. Contribuições da Agroecologia para a Transição Paradigmática: o Caso da Caravana Agroecológica
e Cultural do Rio de Janeiro. Dissertação. Rio de Janeiro: UFRRJ, 2017.
SCHMITT, C. J. Redes, atores e desenvolvimento rural: perspectivas na construção de uma abordagem relacional.
In: Dossiê Sociologias. Porto Alegre, ano 13, nº 27, p. 82-112, mai./ ago. 2011.
TOLEDO, V. M.; BARRERA-BASSOLS, N. A memória biocultural: a importância ecológica das sabedorias
tradicionais. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são da autoria, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.