DIVERSIDADE, SIMILARIDADE E RIQUEZA DE MORCEGOS EM ÁREA NATIVA E DE SISTEMA AGROFLORESTAL NA MATA ATLÂNTICA, BRASIL
PDF

Palavras-chave

fauna
Chiroptera
Floresta Estacional Semidecidual
sudeste brasileiro

Como Citar

da Silva, A. E. T., Rocha, V. J., & de Figueiredo, R. A. (2018). DIVERSIDADE, SIMILARIDADE E RIQUEZA DE MORCEGOS EM ÁREA NATIVA E DE SISTEMA AGROFLORESTAL NA MATA ATLÂNTICA, BRASIL. Revista Brasileira De Agroecologia, 13(2). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/22528

Resumo

A intensa fragmentação de áreas naturais, com consequente pressão sob a fauna nativa, enfatiza a necessidade de buscar alternativas ao sistema de monocultivo, como os Sistemas Agroflorestais (SAF’s), que cultivam, simultaneamente, espécies agrícolas e nativas, e podem contribuir para a subsistência, assim como a conservação de espécies animais. O presente estudo objetivou investigar quais espécies de morcegos utilizam áreas Nativas, de Floresta Estacional Semidecidual, e de SAF, no município de Pirassununga (SP). Foram registrados 228 indivíduos pertencentes a 20 espécies e três famílias. Das espécies, 14 (N=95) foram registradas na Área Nativa e 13 (N=133) no SAF. Os resultados indicam determinado grau de similaridade de espécies entre as áreas estudadas e ausência de diferença significativa nos índices de riqueza e diversidade das áreas Nativa e do SAF. O SAF estudado atraiu espécies de morcegos frugívoras, nectarívoras e insetívoras. Sugere-se, então, que o SAF possa funcionar como corredor entre diferentes matrizes naturais e contribuir para a manutenção de espécies de morcegos mais comuns.
PDF

Referências

ABDO, M. T. V. N.; VALERI, S. V.; MARTINS, A. L. M. Sistemas agroflorestais e agricultura familiar: uma parceria interessante. Revista Tecnologia & Inovação Agropecuária, v. 1, n. 2, p. 50-59, 2008.
BARBOSA, G. P. Morcegos (Mammalia, Chiroptera) em área nativa e sistema agroflorestal no município de Araras, SP, Brasil. 2015. Monografia de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas) – Universidade Federal de São Carlos, Araras, SP.
BARQUEZ, R.; GIANNINI, N. P.; MARES, M. A. Guide to the bats of Argentina. Norman-Oklahoma, USA: Oklahoma Museum of Natural History, 1993. 119p.
BARRAGÁN, F; LORENZO, C.; MORÓN, A.; BRIONES-SALAS, M. A.; LÓPEZ, S. Bat and rodent diversity in a fragmented landscape on the Isthmus of Tehuantepec, Oaxaca, Mexico. Tropical Conservation Science, v. 3, n. 1, p. 1-16, 2010.
BIANCONI, G. V.; MIKICH, S. B.; PEDRO, W. A. Diversidade de morcegos (Mammalia, Chiroptera) em remanescentes florestais do município de Fênix, noroeste do Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, v. 21, n. 4, p. 943–954, 2004.
BREDT, A.; UIEDA, W.; PEDRO, W. A. Plantas e morcegos: na recuperação de áreas degradadas e na paisagem urbana. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado, 2012. 273p.
BREVIGLIERI, C. P. B. Influência de aves e morcegos insetívoros no controle da herbivoria em sistemas agroflorestais de café. 2013. 83p. Tese (Doutorado em Biologia Animal) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho, São José do Rio Preto, SP, 2013.
CARIGNAN, V.; VILLARD, M. Selecting indicator species to monitor ecological integrity: A review. Environmental Monitoring and Assessment, v. 78, p. 45-61, 2002.
COLWELL, R.; CODDINGTON, J. A. Estimating terrestrial biodiversity through extrapolation. Philos. Trans. R. Soc. London B series, v. 345, p. 101-118, 1994.
CARLO, T. A.; COLLAZO, J. A.; GROOM, M. J. Influences of fruit diversity and abundance on bird use of two shaded coffee plantations. Biotropica, v. 36, n. 4, p. 602-614, 2004.
CASSANO, C. R. Cobertura florestal e intensificação do manejo: desafios para manutenção de biodiversidade em mosaicos agroflorestais. 2011. 131p. Tese (Doutorado em Ciências – Ecologia) – Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.
CORTÉS-DELGADO, N.; SOSA, V. J. Do bats roost and forage in shade coffee plantations? A perspective from the frugivorous bat Sturnira hondurensis. Biotropica, v. 46, n. 5, p. 624-632, 2014.
COUTO, R.; MARINHO, B.; LEMES, L.; PEDROSA, T.; ANDRADE, G. Sistema agroflorestal como manejo sustentável na fazenda Kamurá em São Geraldo do Araguaia – Estado do Pará. 2011. Disponível em: <http://www.catolica-to.edu.br/portal/portal/downloads/docs_gestaoambiental/projetos2011-1/3-periodo/SISTEMA_AGROFLORESTAL_COMO_MANEJO_SUSTENTAVEL_NA_FAZENDA_KAMURA_EM_SAO_GERALDO_DO_ARAGUAIA_ESTADO_DO_PARA.pdf>. Acesso em: 08 mai. 2014.
DURIGAN, G.; FRANCO, G. A. D. C.; SAITO, M.; BAITELLO, J. B. Estrutura e diversidade do componente arbóreo da floresta na Estação Ecológica dos Caetetus, Gália, SP. Revista Brasileira de Botânica, v. 23, n. 4, p. 371-383, 2000.
ESBÉRARD, C. E. L.; CHAGAS, A. S.; SILVA, M. B.; COSTA, E. M. L. Levantamento de Chiroptera na Reserva Biológica de Araras, Petrópolis/RJ: I Riqueza de espécies. Revista Científica do Instituto de Pesquisas Gonzaga da Gama Filho, n. 2, p. 67-83, 1996.
ESTRADA, A.; COATES-ESTRADA, R. Bats in continuos forest, forest fragments and in a agricultural mosaic habitat-island at Los Tuxtlas, Mexico. Biological Conservation, n. 103, p. 237-245, 2002.
FARIA, D. Phyllostomid bats of a fragmented landscape in the North-Eastern Atlantic Forest, Brazil. Journal of Tropical Ecology, v. 22, n. 5, p. 531-542, 2006.
FAZZOLARI-CORRÊA, S. Aspectos sistemáticos, ecológicos e reprodutivos de morcegos na Mata Atlântica. 1995. Tese (Doutorado em Ciências, área de Zoologia) – Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo. 158 p.
FENTON, M. B.; ACHARYA, L.; AUDET, D.; HICKEY, M. B. C.; MERRIMAN, C. OBRIST, M. K.; SYME, D. M.; ADKINS, B. Phyllostomid bats (Chiroptera: Phyllostomidae) as indicators of habitat disruption in the Neotropics. Biotropica, n. 24, p. 440-446, 1992.
FERRAZ, A. C. P.; GADELHA, B. Q.; AGUIAR-COELHO, V. M. Análise faunística de Calliphoridae (Diptera) da Reserva Biológica do Tinguá, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Entomologia, n. 53, v. 4, p. 620-628, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbent/v53n4/12.pdf>. Acesso em: 07 mar. 2017.
GARBINO, G. S. T. Research on bats (Chiroptera) from the state of São Paulo, Southeastern Brazil: annotated species list and bibliographic review. Arquivos de Zoologia, v. 47, n. 3, p. 43-128, 2016.
GARDNER, A. L. Feeding habits. In: BAKER, R. J.; JONES, J. K.; CARTER, D. C. (Eds). Biology of bats of bats of the New World Family Phyllostomatidae Part II. 13 ed. Special Publications, Texas Tech University, 1977. p. 293-350.
GHELER-COSTA, C.; LYRA-JORGE, M. C.; VERDADE, L. M. (Eds.). Biodiversity in agricultural landscapes of southeastern Brazil. De Gruyter Open, 2016. 366p.
GONZATTO, M. P.; SCHWARZ, S. F. Sistemas agroflorestais. Embrapa Clima Temperado, versão eletrônica: Produção orgânica de citros no Rio Grande do Sul. 2011. Disponível em: <http://www.cpact.embrapa.br/publicacoes/sistemas/sistemas-20/ca p14_sistemas_agroflorestais.htm>. Acesso em 08 mai. 2014.
GOODWIN, G. G.; GREENHALL, A. M. A review of the bats of Trinidad and Tobago. Bulletin of the American Museum of Natural History, vol. 122, n. 3, p. 187-302, 1961.
GREENBERG, R.; BICHIER, P.; ESTERLING, J. Bird and planted shade coffe plantations. Biotropica, v. 29, n. 4, p. 501-514, 1997.
HAMMER, Ø.; HARPER, D. A. T.; RYAN, P. D. PAST: Palaeontological Statistics Software Package for education and data analysis. Palaeontologia Electronica, v. 4, n. 1, p. 1-9, 2001.
HARVEY, C.; VILLALOBOS, J. A. G. Agroforestry systems conserve species-rich but modified assemblages of tropical birds and bats. Biodivers. Conserv., v. 16. p. 2257–2292. 2007.
HEFFNER, R. S.; KOAY, G.; HEFFNER. H. E. Hearing in American leaf nosed bats. IV: The Common vampire bat, Desmodus rotundus. Hear Res., 22p., 2014. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3563265/pdf/nihms430227.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2017.
HUSSON, A. M. The bats of Suriname. Zool. Verh, v. 58, n. 1, p. 1-282, 1962.
INSTITUTO FLORESTAL. Roteiro interpretativo da Trilha das Árvores Gigantes: Subsídio ao Programa de Uso Público do Parque Estadual de Porto Ferreira, Porto Ferreira – SP. São Paulo: Série Registros, 2012. 56p.
IUCN. IUCN red list of threatened species. Version 2017.1. Disponível em: <www.iucnredlist.org>. Acesso em: 29 jun. 2017.
JONES, J. K.; CARTER, D. C. Annottated checklist, with keys to subfamilies and genera. In: BAKER, R. J.; JONES-JR, J. K.; CARTER, D. C. (Eds.). Biology of bats of the new world family Phyllostomidae, part I. Special Publications Museum Texas Tech. University, n. 10, 218p, 1976.
JUNQUEIRA, A. C.; SCHLINDWEIN, M. N.; CANUTO, J. C.; NOBRE, H. G. SOUZA, T. J. M. Sistemas agroflorestais e mudanças na qualidade do solo em assentamento de reforma agrária. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 8, n. 1, p. 102-115, 2013.
KOMAR, O. Priority contribution: ecology and conservation of birds in coffee plantations: a critical review. Bird Conservation International, v. 16, n. 1, p. 1-23, 2006.
KUPPER, A. A devastação da cobertura florestal natural do Estado de São Paulo. Proj. História, v. 1, n. 18, p. 389-397, 1999.
KUNZ, T. H.; TORREZ, E. B.; BAUER, D.; LOBOVA, T.; FLEMING, T. Ecosystem services provided by bats. Annals of the New York Academy of Sciences, v. 1223, p. 1-38, 2011.
LAVAL, R. K. Banding returns and activity periods of some Costa Rican bats. The Southwestern Naturalist, v. 15, n. 1, p. 1-10, 1970.
LIMA, I. P. Morcegos (Chiroptera; Mammalia) de áreas nativas e áreas reflorestadas com Araucaria angustifolia, Pinus taeda e Eucalyptus spp. na Klabin – Telêmaco Borba, Paraná, Brasil. 2008. 141 p. Tese (Doutorado) – Instituto de Biologia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Seropédica, RJ. 2008.
LOBOVA, T. A.; GEISELMAN, C. K.; MORI, S. A. Seed dispersal by bats in the Neotropics. New York: New York Botanical Garden Press, 2009. 465p.
LYRA-JORGE, M. C.; CIOCHETI, G.; PIVELLO, V. R. Carnivore mammals in a fragmented landscape in northeast of São Paulo State, Brazil. Biodiversity & Conservation, n. 17, p. 1573-1580, 2008.
MAGURRAN, A. E. Ecological diversity and its measurement. London: Croom Helm Ltd, 1988. 179p.
MARGALEF, R. Homage to Evelyn Hutchinson, or why is there an upper limit to diversity. Transactions of the Connecticut Academy of Arts and Sciences, n. 14, p. 211-235, 1972.
MCNEELY, J. A.; SCHROTH, G. Agroforestry and biodiversity conservation – traditional practices, present dynamics, and lessons for the future. Biodiversity & Conservation, v. 15, n. 2, p. 549-554, 2006.
MEDELLÍN, R. A.; EQUIHUA, M.; AMIN, M. A. Bat diversity and abundance as indicators of disturbance in neotropical rainforests. Conservation Biology, v. 4, n. 6, p. 1666-1675, 2000.
MIRANDA, J. M. D.; BERNARDI, I. P.; PASSOS, F. C. Chave ilustrada para a determinação dos morcegos da região sul do Brasil. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2011. 55p.
MIRETZKI, M.; MARGARIDO, T. C. C. Morcegos da Estação Ecológica do Caiuá, Paraná (sul do Brasil). Chiroptera Neotropical, v. 5, n. 1-2, p. 105-108, 1999.
MORRISON, D.W. 1978. Lunarphobia in a neotropical fruit bat, Artibeus jamaicensis (Chiroptera; Phyllostomidae). Animal Behavior, v. 26, n. 3, p. 852-855, 1978.
OLIVEIRA, D. A. M. A mirmecofauna como bioindicador em agrossistema: estudo de caso em áreas de restauração florestal no Vale do Ribeira, Sete Barras, SP. 2013. 40p. Dissertação (Mestrado em Agroecologia e Desenvolvimento Rural), Universidade Federal de São Carlos – Centro de Ciências Agrárias, Araras, SP, 2013.
PAROLIN, L. C.; SUCKOW, U. M. S; BIANCONI, G. V.; MIKICH, S. B. Acuidade olfativa nos morcegos frugívoros Artibeus lituratus e Carollia perspicillata: uma análise experimental. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 9., 2009, São Lourenço – MG. Anais. São Lourenço – MG: SEB, 2009. 2p.
PASSOS, F. C.; SILVA, W. R.; PEDRO, W. A.; BONIN, M. R. Frugivoria em morcegos (Mammalia, Chiroptera) no Parque Estadual Intervales, sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, v. 20, n. 3, p. 511–517, 2003.
PEDRO, W. A.; TADDEI, V. A. Taxonomic assemblage of bats from Panga Reserve, southeastern Brazil: abundance patterns and trophic relations in the Phyllostomidae (Chiroptera). Boletim do Museu de Biologia, n. 6, p. 3-21, 1997.
PEDRO, W. A.; PASSOS, F. C.; LIM, B. K. Morcegos (Chiroptera; Mammalia) da Estação Ecológica de Caetetus, Estado de São Paulo. Chiroptera Neotropical, v. 7, n. 1-2, p. 136-140, 2001.
PERACCHI, A. L., LIMA, I. P., REIS, N. R, NOGUEIRA, M. R.; ORTÊNCIO FILHO, H. Ordem Chiroptera. In: REIS, N. R.; PERACCHI, A. L.; PEDRO, W. A.; LIMA, I. P. (Eds.). Mamíferos do Brasil. Londrina: SEMA, 2006, p.153-230.
PINA, S. M. S. O uso do habitat por morcegos em sistemas naturais e agroflorestais na savana brasileira. 2011. Escola de Ciências (Mestrado em Ecologia e Gestão Ambiental) – Universidade de Lisboa, 2011. Disponível em: <http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/4651/1/ulfc090944_tm_sonia_pina.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2017.
REIS, N. R.; PERACCHI, A. L.; ONUKI, M. K. Quirópteros de Londrina, Paraná, Brasil (Mammalia, Chiroptera). Revista Brasileira de Zoologia, v. 10, n. 3, p. 371 - 381, 1993.
REIS, N. R.; PERACCHI, A. L.; LIMA, I. P. Morcegos (Chiroptera) da área urbana de Londrina, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, v. 19, n. 3, p. 739-746, 2002.
REIS, N. R.; PERACCHI, A. L.; LIMA, I. P.; NOGUEIRA, M. R.; HORTÊNCIO, H. F. Ordem Chiroptera. In: REIS, N. R.; PERACCHI, A. L.; PEDRO W. A.; LIMA, I. P. (Orgs.). Mamíferos do Brasil. Londrina: 2006, p.153-230.
REIS, N. R.; PERACCHI, A. L.; LIMA, I. P.; PEDRO, W. A. (Eds.). Morcegos do Brasil. Londrina: Divisão de Processos Técnicos da Biblioteca Central da Universidade Estadual de Londrina, 2007. 253p.
REIS, N. R.; PERACCHI, A. L.; SHIBATTA, O. A.; FREGONEZI, M. N. Morcegos do Brasil: Guia de campo. Rio de Janeiro: Technical Books, 2013. 252p.
REZENDE, M. Q. Etnoecologia e controle biológico conservativo em cafeeiros sob sistemas agroflorestais. 2010. Dissertação (Mestrado em Etnomologia), Universidade Federal de Viçosa, 2010. Disponível em: <http://locus.ufv.br/bitstream/handle/123456789/3933/texto%20completo.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 17 fev. 2017.
SANTOS, A. J. Estimativa de riqueza em espécies. In: CULLEN, L.; RUDRAN, R.; VALLADARES-PADUA, C. (Orgs.). Métodos de estudo em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. Curitiba: Editora UFPR, 2004, p.19-41.
SEKIAMA, M. L. Um estudo sobre quirópteros abordando ocorrência e capturas, aspectos reprodutivos, dieta e dispersão de sementes no Parque Nacional do Iguaçu, Paraná, Brasil (Chiroptera: Mammalia). 2003. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas – Zoologia), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.
SIKES, R. S.; GANNON, W. L.; THE ANIMAL CARE AND USE COMMITTEE OF THE AMERICAN SOCIETY OF MAMMALOGISTS. Guidelines of the American Society of Mammalogists for the use of wild mammals in research. Journal of Mammalogy, v. 92, n. 1, p. 235-253. 2011.
SILVEIRA, L. F.; BEISIEGEL, B. M.; CURCIO, F.; VALDUJO, P. H.; DIXO, M.; VERDADE, L. M.; MATTOX, G. M. T.; CUNNINGHAM, P. T. M. Para que servem os inventários de fauna? Estudos Avançados, v. 24, n. 68, p. 173-207, 2010.
STRAUBE, F. C.; BIANCONI, G. V. Sobre a grandeza e a unidade utilizada para estimar esforço de captura com utilização de redes-de-neblina. Chiroptera Neotropical, v. 8, n. 1-2, p. 150-152, 2002.
TEIXEIRA, A. E.; ROCHA, V. J. Levantamento da chiropterofauna em área urbana no município de Araras, São Paulo. Revista Foco, v. 4, n. 4, p. 39-54, 2013.
THIES, W.; KALKO, E. K. V. The roles of echolocation and olfaction in two neotropical fruit-eating bats, Carollia perspicillata and C. castanea, feeding on Piper. Behav. Ecol. Sociobiol., v.42, p.397-409, 1998.
VICTOR, M. A. M. A devastação florestal em São Paulo. Revista da Sociedade Brasileira de Silvicultura, n. 48, 1975. 48p.
VIEIRA, C. O. C. Ensaio monográfico sobre os quirópteros do Brasil. Arquivos de Zoologia do Estado de São Paulo, v. 3, n. 8, 1942. 471p.
VIZOTO, L. D.; TADDEI, V. A. Chave para determinação de quirópteros brasileiros. Boletim de Ciências, v. 1, n. 1, 1973. 72p.

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.