AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO NO CAMPO: REFLEXÕES A PARTIR DO NÚCLEO DE AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO (GWATÁ)
PDF

Como Citar

Souza, M. M. O., Talga, D. O., Sarmiento, G. P. P., Souza, J. D., Botelho, A. M., Borges, J. A., Oliveira, E. B., Melo, G. G. da S., Moraes, R. S., & Silva, F. J. (2018). AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO NO CAMPO: REFLEXÕES A PARTIR DO NÚCLEO DE AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO (GWATÁ). Revista Brasileira De Agroecologia, 13(1). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/22464

Resumo

A Agroecologia tem se fortalecido como proposta paradigmática para o campo. É resultado da luta de camponeses, dos povos indígenas e das comunidades tradicionais. Nos últimos anos outras organizações têm contribuído na discussão e fortalecimento da Agroecologia. Movimentos sociais, Organizações não governamentais, Instituições de ensino, tem se juntado na construção da Agroecologia. Nesse contexto os Núcleos de Agroecologia vêm desenvolvendo suas atividades. O desafio dos Núcleos, entre os quais se inclui o Núcleo de Agroecologia e Educação do Campo (GWATÁ), tem sido a sistematização das experiências e ações levadas a cabo. O objetivo deste texto, nesse sentido, é de apresentar experiências deste coletivo, sistematizadas a partir de diferentes caminhos metodológicos. Entre as principais experiências sistematizadas, destacamos o apoio à luta pela terra, os processos educativos e a comunicação na Agroecologia. Esperamos contribuir com o debate agroecológico a partir destas reflexões.
PDF

Referências

BERNARDET, J. Cineastas e imagens do povo. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
Souza, Moraes, Talga, Melo, Souza, Oliveira, Botelho, Sarmiento, Santos Júnior, Silva e Silva.
Revista Brasileira de Agroecologia | Vol.13 | Nº. Esp. | Ano 2018 | p. 257
CANCLINI, N. G. Leitores, espectadores e internautas. Tradução: Ana Goldberger. São Paulo: Iluminuras, 2018, (1.
Reimp., 2013).
GALEANO, E. As veias abertas da América Latina. Tradução de Sergio Faraco. Porto Alegre, RS: L&PM, 2012.
INCRA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Os assentamentos em Goiás. Disponível em:
<https://incragoias.wordpress.com/distribuicao-dos-assentamentos-no-estado-de-goias/#norte>. Acesso em: 09
ago. 2017.
KONDER, L. O que é a dialética? 28 ed. São Paulo: Brasiliense, 2008. (Coleção Primeiros Passos)
MAIA, C. L. Os donos da terra: a disputa pela propriedade e pelo destino da fronteira – a luta dos posseiros em
trombas e formoso 1950/1960. 2008. 275 p. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal de Goiás –
Faculdade de Ciências Humanas de Filosofia, Goiânia, 2008.
MAINIERI. T. Um peso, duas medidas: desvelando a comunicação pública na sociedade midiatizada. Goiânia:
Gráfica UFG, 2016.
MISNEROVICZ, J. V. A territorialização do capital e os novos sujeitos da questão agraria brasileira na
contemporaneidade. 2016. 166 p. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Goiás – Instituto
de Estudos Socioambientais, Goiânia, 2016.
MST. Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Nossa história. Disponível em:
<http://www.mst.org.br/nossa-historia/>. Acesso em: 10 ago. 2017.
PINTO, A. M. P.; NASCIMENTO, C. G. EFAGO e circo da comunicação: na construção de uma educação inclusiva.
Disponível em: <https://www.google.com.br/
search?q=EFAGO+E+CIRCO+DA+COMUNICA%C3%87%C3%83O&oq=EFAGO+E+CIRCO+DA+COMUNICA%C3%87%C3
%83O&aqs=chrome..69i57.109j0j7&sourceid=chrome&ie=UTF-8>. Acesso em: 05 ago. 2017.
ROSSET, P. M.; MARTÍNEZ TORRES, M. E. Agroecología, territorio, recampesinización y movimientos sociales.
Estudios Sociales: revista de investigación científica, v 25, n 47, p. 275-299, enero-junio 2016.
SILVA, J. G. A modernização dolorosa: estrutura agrária, fronteira e trabalhadores rurais no Brasil. Rio de Janeiro:
ZAHAR, 1982.
SOUZA, M. M. O. Metodologias participativas em extensão universitária: o Diagnóstico Rural Participativo (DRP). In:
SOUZA, M. M. O.; CARVALHO, G. O. (Org.) Extensão universitária: metodologia e experiências. Goiânia: Ed. da PUC
Goiás, 2016. p. 47-66.
SOUZA, M. M. O.; COSTA, A. A. Educação do campo e agroecologia: perspectivas a partir das escolas no/do campo
no município de Goiás-GO. Brazilian Geographical Journal, v. 4, p. 351-373, jul.-dez 2013.
TALGA, D. O. Comunicação e luta pela terra em Goiás: estudo a partir do acampamento Dom Tomás Balduino.
2017. 246 p. Dissertação. (Mestrado em Comunicação). Universidade Federal de Goiás, Goiânia. 2017.
TRAJANO, G.. Cinema e luta de classes. Revista Carta Maior. Matéria publicada em 18 de set. 2013. Disponível em:
<http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Cultura/Cinema-e-luta-de-classes/39/28346>. Acesso em: 14 de ago.

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.