O MESTRE, O CURIOSO E O COMUNICADOR
PDF

Palavras-chave

ensino, pesquisa, extensão rural, construção do conhecimento agroecológico

Como Citar

NUNES, F. O., LINS RIBEIRO, A. S., LIMA, A. D. S., COELHO, ÂNGELA M. E., SANTOS, A. N. D., CORREIA DE SOUZA, B. S., NUNES, C. O., DE SOUZA, C. A., SOUZA DA SILVA, D. E., FREITAS, E. S., DE JESUS, E. S., CRUZ SILVA, F. C., SANTIAGO, F. C., DOS SANTOS, F. M., DOS SANTOS, T. M., SOUZA, G. D. F., DOS SANTOS, I. J., LIMA, J. B., DOS SANTOS, L. N. J., CERQUEIRA, L. D. S., DE OLIVEIRA, M. C., FRANCO, M. G., CEZÁRIO, M. M. D. M., DE CASTRO, M. S., DE OLIVEIRA, M. C., SANTOS, M. E. T., RIBEIRO NETO, P. M., & OLIVEIRA SANCHEZ, R. D. S. (2018). O MESTRE, O CURIOSO E O COMUNICADOR: UMA HISTÓRIA DE UM POR TODOS E TODOS POR UM NAS TRILHAS DA AGROECOLOGIA NA BAHIA. Revista Brasileira De Agroecologia, 13(1). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/22449

Resumo

Este trabalho coletivo contou a trajetória de luta, resistência e resiliência que os membros do Núcleo de Estudos em Agroecologia (NEA) Trilhas, da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Bahia, percorreram para conquistar o espaço do Núcleo, o que significa mais do que um “espaço geográfico” de passagem, mas, sobretudo, um espaço de vida de todos os que participam do Núcleo. Nele se dá a construção do que somos e queremos ser, e é por onde construímos o conhecimento em agroecologia baseado na indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão. É nele que ensinamos e aprendemos uns com os outros, como mestres de todos nós; em que pensamos e redesenhamos os agroecossistemas como experimentadores curiosos, bem como aprendemos a comunicar nossos achados, relacionando-os com os princípios da agroecologia, na labuta do dia a dia e ressignificando cada processo vivido. Essa experiência envolve a construção e a defesa da Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER), realizada de forma dialógica e humanizada. Contar sobre a conquista do Núcleo, como espaço pedagógico, de pesquisa, ensino e extensão, é contar, também, sobre fragmentos importantes na história da ATER na Bahia.
PDF

Referências

BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA. Territórios da Cidadania. 2008. Disponível em:
<http://www.mda.gov.br/sitemda/sites/sitemda/files/ceazinepdf/3638408.pdf>. Acesso em: 19 ago. 2017.
DUBEUX, A. M.; MEDEIROS, A. J. de S. A construção de conhecimentos em agroecologia no Semiárido brasileiro:
interculturalidade e diálogo. In: MEDEIROS, A. J. de S.; DUBEUX, A. M.; AGUIAR, M. V. de A. Agroecologia na
convivência com o semiárido: experiências vividas, sentidas e aprendidas. Recife, Pe: Edição dos Organizadores,
2015. Cap. 1. p. 23-52.
REVISTA PACTO. Salvador: Edição da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola - Ebda, v. 1, n. 1, dez. 2012.
Edição única. 46p.
FALKEMBACH, E. M. F. Sistematização: Juntando cacos, construindo vitrais. In: FUMAGALLI, D.; SANTOS, J. M. P.
dos; BASUALDO, M. E. O que é sistematização: Uma pergunta diversas respostas. São Paulo: Garage Digital., 2000.p. 14-27.
FREIRE, P.; GUIMARÃES, S. Aprendendo com a própria história. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2001. 160 p.
IMBERT, F. Para uma práxis pedagógica. Brasília: Plano, 2003. 155 p.
JARA, O. Sistematización. San José, Costa Rica: Centro de Estudios y Publicaciones Alforja, 2004.

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são dos autores, com direitos de primeira publicação para a revista.

Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.