Uso e comercialização de plantas medicinais em Humaitá, Amazonas.
PDF

Palavras-chave

Biodiversidade
Etnobotânica
Fitoterapia

Como Citar

Gomes, N. S., & Lima, J. P. S. de. (2017). Uso e comercialização de plantas medicinais em Humaitá, Amazonas. Revista Brasileira De Agroecologia, 12(1). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/20477

Resumo

A fitoterapia é uma opção no tratamento de doenças, por ser financeiramente acessível e por ser alternativa mais natural frente à medicina alopática. Por este motivo, observa-se que em muitas cidades o comércio e uso de plantas medicinais, aromáticas e condimentares é muito intenso. Os comerciantes representam importantes pontos de aquisição de informações sobre a utilização da flora nativas ou exóticas da região. Este estudo teve como objetivo levantar informações referentes ao uso medicinal de plantas no Município de Humaitá (AM), avaliando o consenso quanto às propriedades terapêuticas atribuídas pelos vendedores. Foram realizadas entrevistas com perguntas abertas e semiestruturadas com doze comerciantes. A determinação da importância relativa de cada espécie foi realizada com base na proposta de Bennett e Prance (2000). Foram citadas 84 espécies de plantas nativas e exóticas, totalizando 334 indicações terapêuticas pelos entrevistados, apresentando destaque a indicação para os transtornos do sistema digestivo. As espécies com destaque na comercialização foram o Sambucus nigra L. (sabugueiro), Lavandula officinalis Chaix & Kitt (Alfazema) e Copaifera sp. (Copaiba), com índices de importância relativa maiores que 1. As espécies Ginkgo biloba L. (Ginkgo biloba), Petiveria alliacea L. (Guiné, mucura – caá), Olea europaea L., (Oliveira) e Himatanthus sucuuba (Spruce ex Müll. Arg.) Woodson (Súcuba) apresentaram consenso completo entre os informantes.
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.