A CONSERVAÇÃO INTEGRADA DA AGROBIODIVERSIDADE CRIOULA
PDF

Palavras-chave

Germoplasma crioulo. Conservação in situ on farm. Guardiões de Sementes.

Como Citar

Kaufmann, M. P., Reiniger, L. R. S., & Wizniewsky, J. G. (2018). A CONSERVAÇÃO INTEGRADA DA AGROBIODIVERSIDADE CRIOULA. Revista Brasileira De Agroecologia, 13(2). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/17397

Resumo

Este ensaio tem como objetivo levantar questões teóricas acerca do conceito de agrobiodiversidade crioula e a importância de integrar conservação on farm e ex situ, a fim de apoiar a continuidade de experiências de agricultores no resgate e manutenção de cultivares crioulas de espécies agrícolas. A agrobiodiversidade crioula é constituída pelos recursos genéticos agrícolas sobre os quais os agricultores têm ampla e total autonomia de uso. Os recursos fitogenéticos componentes dessa agrobiodiversidade são conservados por meio do manejo realizado pelos homens e mulheres, e assim permanecem graças ao sistema informal de produção de sementes, que é realizado de maneira descentralizada por agricultores familiares e tradicionais. A fim de garantir e fortalecer essa conservação, a estratégia integrada favorece sua perpetuação, garantindo, simultaneamente, sua plasticidade e a manutenção da variabilidade genética nessas cultivares.
PDF

Referências

ALTIERI, M. A. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. 3. ed. Porto Alegre: Ed. da Universidade UFRGS, 2001.

ALMEIDA, J. A construção social de uma nova agricultura. Porto Alegre: UFRGS. 1999.

BARCELOS, J. R. O. A tutela jurídica das sementes: a proteção da diversidade e da integridade do patrimônio genético e cultural brasileiro à luz do princípio da proibição de retrocesso ambiental. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2011. 176p.

BERG, T. Landraces and folk varieties: a conceptual reappraisal of terminology. Euphytica, n.166, p.423–430, 2009.

BOEF, W. S.; THIJSSEN, M. H.; OGLIARI, J. B.; STHAPIT, B. R. Biodiversidade, agricultura e conservação: conceitos e estratégias. In: ______. Biodiversidade e agricultores: fortalecendo o manejo comunitário. Porto Alegre: L&PM Editores, 2007. Cap. 2, p. 35-59.

BRASIL. Lei n. 9.456, de 25 de abril de 1997. Institui a Lei de Proteção de Cultivares

e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, Ano CXXXV, n. 79, p.8241-8246. 28 abr. 1997. Seção 1.

CANCI, I. J. Relações dos sistemas informais de conhecimento no manejo da agrobiodiversidade no oeste de Santa Catarina. 2006. 204 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Genéticos Vegetais) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

CAPORAL, F., R.; COSTABEBER, J. A.; PAULUS, G. Agroecologia: uma ciência do campo da complexidade. Brasília, 2009.

CARVALHO, H. M. (Org.). Sementes: patrimônio do povo a serviço da humanidade. São Paulo: Expressão Popular, 2003.

CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA (CDB). Ministério do Meio Ambiente. Brasília, 2000. Série Biodiversidade n. 1. Capturado em 8 mar. 2014. Online. Disponível na Internet http://www.mma.gov.br/estruturas/sbf_chm_rbbio/_arquivos/cdbport_72.pdf.

CLEMENT, C.; ROCHA, S.F.R.; COLE, D.M.; VIVAN J.L. Conservação on farm. In:

Nass, L.L. (Ed.) Recursos Genéticos Vegetais. Brasília: Embrapa, 2008. p. 511-543.

DELÉAGE, J. P. Historia de la ecología: una ciencia del hombre y de la naturaleza. Barcelona: Icaria Editorial, 1993.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS (FAO). Report of the World Food Summit; 1996 Nov 13-17. Rome: FAO; 1997. p.123.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Ed. da Universidade UFRGS, 2000.

JARVIS, D.I., et al. A Training Guide for In Situ Conservation On-farm. n. 1. International Plant Genetic Resources Institute, Rome, Italy. 2000.

LEFF, E. Agroecologia e saber ambiental. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v.3, n.1, p. 36-51, 2002.

LYRA, D. H. et al. Conservação on farm da agrobiodiversidade de sítios familiares em Jequié, Bahia, Brasil. Revista Ceres, Viçosa, v. 58, n. 1, p. 69-76, 2011.

MACHADO, A.T, et. al. Manejo da diversidade genética do milho e melhoramento participativo em comunidades agrícolas nos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 22p. 2002.

MACHADO, A. T.; SANTILLI, J.; MAGALHÃES, R. A agrobiodiversidade com enfoque agroecológico: implicações conceituais e jurídicas. Embrapa Informação Tecnológica. Brasília, DF. 2008. (Texto para discussão, 34).

MARZALL, K. Fatores Geradores da Agrobiodiversidade: Influências Socioculturais. Rev. Bras. Agroecologia, v.2, n.1, fev. 2007.

MORAES, M. F. C. Os desafios do direito acerca da proteção da diversidade agrobiológica diante da expansão das culturas transgênicas no Brasil. Capturado em 9 abr. 2015. Online. Disponível na Internet http://www.unifae.br/publicacoes/pdf/IIseminario/pdf_reflexoes/reflexoes_16.pdf.

NORGAARD, R. B.; SIKOR, T. O. Metodologia e prática da agroecologia. In: ALTIERI, M. A. (ed.). Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. 3. ed. Porto Alegre: Ed. da Universidade UFRGS, 2001.

PERONI, N.; MARTINS, O. S. Influência da dinâmica agrícola itinerante na geração de diversidade de etnovariedades cultivadas vegetativamente. Interciência, n. 25, p.22-29. 2000.

SANTILLI, J. Agrobiodiversidade e direitos dos agricultores. São Paulo: Editora

Peirópolis, 2009.

SANTILLI, J.; EMPERAIRE, L. A agrobiodiversidade e os direitos dos agricultores indígenas tradicionais. In: KUBO, R et al. (Orgs.). Atualidades em Etnobiologia e Etnoecologia. Recife: NUPPEA/Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia, 2006.

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.