Competição interespecífica e viabilidade econômica do consórcio gergelim + feijão caupi em sistema orgânico de cultivo
PDF

Palavras-chave

Práticas agrícolas sustentáveis
policultivo
Sesamum indicum L.
Vigna unguiculata L.

Como Citar

Araujo, A. C. de, Aloufa, M. A. I., Silva, A. J. N. da, & Araújo, A. C. de. (2016). Competição interespecífica e viabilidade econômica do consórcio gergelim + feijão caupi em sistema orgânico de cultivo. Revista Brasileira De Agroecologia, 11(2). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/16138

Resumo

Consórcios correspondem ao cultivo simultâneo de duas ou mais espécies vegetais em um mesmo espaço. Objetivando compreender as relações competitivas e avaliar a viabilidade econômica do consórcio gergelim (Sesamum indicum L.) + feijão caupi (Vigna unguiculata L.), um experimento foi conduzido em delineamento de blocos ao acaso com seis tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos foram os monocultivos de gergelim e feijão caupi e os plantios relativos do feijão caupi em função do plantio do gergelim (0, 7, 14 e 21 dias após o plantio da Pedaliaceae). A pressão competitiva do feijão caupi sobre o gergelim foi maior quando a Fabaceae foi semeada no mesmo dia e 7 dias após a Pedaliaceae. Resultados diferentes foram encontrados quando a semeadura do feijão caupi ocorreu aos 14 e 21 dias. O consórcio gergelim + feijão caupi mostrou-se potencialmente mais rentável quando a Fabaceae foi semeada 7 dias após a Pedaliaceae.
PDF

Referências

AHMAD et al. Competitive performance of associated forage crops grown in different forage sorghum-legume intercropping systems. Pakistan Journal of Agricultural Sciences, v. 43,n. 1-2, p. 25-31, 2006.

ALBUQUERQUE, F. A. et al. Ecofisiologia do gergelim (Sesamum indicum L.). In: BELTRÃO, N. E. de M.; OLIVEIRA, M. I. P. de. (editores técnicos). Ecofisiologia das culturas de algodão, amendoim, gergelim, mamona, pinhão-manso e sisal. 2ª. ed. Brasília: Embrapa, 2012. Cap. 4, p. 122 – 143.

ALI, M. O. et al. Study on mixed cropping mungbean with sesame at different seeding rates. International Journal of Sustainable Crop Production, v. 2, n.5, p. 74-77, 2007.

ARAÚJO, A. C. de et al. Indicadores agroeconômicos na avaliação do consórcio algodão herbáceo + amendoim. Agroeconomic indicators on the evaluation of cotton + peanut intercropping. Ciência e Agrotecnologia, v. 32, n. 5, p. 1467-1472, 2008.

BEDOUSSAC, L.; JUSTES, E. A comparison of commonly used indices for evaluating species interactions and intercrop efficiency: Application to durum wheat–winter pea intercrops. Field Crops Research, v. 124, p. 25–36, 2011.

BELTRÃO, B. A. et al. (Org.). Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea - diagnóstico do município de Macaíba, estado do Rio Grande do Norte. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005. 25 p.

BEZERRA NETO, F. et al. Evaluation of yield advantage indexes in carrot-lettuce intercropping systems. Interciencia, v. 35, n.1, p. 59–64, 2010.

BHATTI, I. H. et al. Competitive behaviour of component crops in different sesame-legume intercropping systems. International Journal of Agriculture and Biology, v. 8, n. 2, p. 165-167, 2006.

BHATTI, I. H. et al. Agronomic performance of mash bean as an intercrop in sesame under different planting patterns. Emirates Journal of Food and Agriculture, v. 25, n. 1, p. 52-57, 2013.

EMBRAPA. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2ª ed. Brasília: Embrapa Informática Agropecuária, 2009. 627 p.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro: EMBRAPA-SPI, 2006. 412 p.

HALL, R. L. Analysis of the nature of interference between plants of different species. I. concepts and extension of the de wit analysis to examine effects. Australian Journal of Agricultural Research, v. 25, n. 5, p. 739 - 747, 1974.

IMRAN, M. et al. Bio-economic assessment of sunflower-mungbean intercropping system at different planting geometry. International Research Journal of Agricultural Science and Soil Science, v. 1, n. 4, p. 126-136, 2011.

LANGHAM, D. R. Growth and development of sesame. Texas: Sesaco, 2008. 44 p.

LANGHAM, D. R. Phenology of sesame. In: JANICK, J.; WHIPKEY, A. (Eds.). Issues in New crops and new uses. Alexandria: ASHS Press, 2007. p. 144-182.

LIMA, F. de S. et al. Épocas relativas de plantio e adubação nitrogenada: índices agroeconômicos do algodoeiro consorciado com gergelim. Revista Ciência Agronômica, v. 39, n. 4, p. 555-561, 2008.

LIMA, J. M. P. de. et al. Feijão macassar: do plantio à colheita. Natal: Emparn, 2010. 28 p. (Circuito de Tecnologias Adaptadas para a Agricultura Familiar, 7).

MALÉZIEUX, E. et al. Mixing plant species in cropping systems: concepts, tools and models. A review. Agronomy for Sustainable Development, v. 29, n. 1, p. 43–62, 2009.

MAUNDE, S. M.; HARUNA, I. M.; SHARIFAI, A. I.; HASSAN, A. H. Productivity of Soybean/Sesame Mixture as influenced by Farmyard Manure and Plant Arrangement in the Northern Guinea Savanna Ecological zone of Nigeria. Production Agriculture and Technology Journal, v. 7, n. 2, p. 127-136, 2011.

OLOWE, V. I. O.; ADEYEMO, A. Y. Enhanced crop productivity and compatibility through intercropping of sesame and sunflower varieties. Annals of Applied Biology, v. 155, n. 2, p. 285-291, 2009.

VALE, E. H. et al. Comportamento do girassol e feijão caupi consorciados em série de substituição. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.6, n.2, p. 69 – 74, 2011.

VAN ASTEN, P. J. A. et al. Agronomic and economic benefits of coffee–banana intercropping in Uganda’s small holder farming systems. Agricultural Systems, v. 104, p. 326–334, 2011.

WAHLA, I. H. et al. Competitive functions of components crops in some barley based intercropping systems. International Journal of Agriculture & Biology, v. 11, n. 1, p. 69-72, 2009.

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são da autoria, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.