Conhecimento dos agricultores associado ao uso de anacardiáceas arbóreas nativas no Bioma Pampa
PDF

Palavras-chave

Etnobotânica
biodiversidade
conhecimento tradicional
Lithraea
Schinus.

Como Citar

Crizel Gomes, G., Barbieri, R. L., & Medeiros, C. A. (2016). Conhecimento dos agricultores associado ao uso de anacardiáceas arbóreas nativas no Bioma Pampa. Revista Brasileira De Agroecologia, 11(3). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/16136

Resumo

Uma das estratégias mais importantes no processo de apropriação da natureza pelos grupos sociais é a identificação das espécies de árvores nativas e o reconhecimento de suas potencialidades para os mais diversos fins. Muito desse vasto conhecimento tradicional associado à biodiversidade arbórea vem sendo perdido ao longo do tempo. Juntamente com a perda desses conhecimentos, existe uma alarmante erosão de diversidade biológica. Com o objetivo de resgatar o conhecimento de agricultores familiares sobre o uso de anacardiáceas arbóreas nativas no Bioma Pampa, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com agricultores familiares de Pelotas/RS. Foram relatados métodos tradicionais de identificação das espécies e usos atribuídos a elas (Lithraea brasiliensis, Schinus lentiscifolius, S. molle, S. polygamus e S. terebinthifolius). Os dados obtidos mostraram que existe conhecimento popular associado às espécies de anacardiáceas arbóreas nativas no Bioma Pampa. Para essas espécies são atribuídos diversos usos, como medicinal, madeirável, ornamental, melífero e em sistemas de produção agroflorestal.
PDF

Referências

ALMEIDA, D. S. Recuperação ambiental da mata atlântica. Ilhéus, BA: Editus, 2000. 130 p.

CALDAS, N. V.; ANJOS, F. S. O futuro ameaçado: o mundo rural face aos desafios da masculinização, do envelhecimento e da desagrarização. In: Ensaios FEE, Porto Alegre: FEE, v.26, n.1, p.661-694, jun.2005.

BACKES, P.; IRGANG, B. Árvores do Sul; guia de identificação & interesse ecológico. Santa cruz Ed. Instituto Souza Cruz, 2002. 326

BARBIERI, R. L. et. al. Agricultural Biodiversity in Southern Brazil: Integrating Efforts for Conservation and Use of Neglected and Underutilized Species. Sustainability 2014, 6(2), 741-757;

BÜTTOW, M. V. et. al. Conhecimento tradicional associado ao uso de butiás (Butia spp., ARECACEAE) no Sul do Brasil. Ver. Bras. Frutic., Jaboticabal-SP. v. 31, n. 4. p. 1069-1075. Dez. 2009.

CALIXTO, J.B. Biodiversidade como fonte de medicamentos. Cienc Cult,v. 55, n. 3, p. 37-9, 2003.

CARDOSO, J. H. et. al. O processo de transição agroecológico, organização social e redesenho das práticas produtivas: O caso de um agroecossistema. Rev. Bras. de Agroecologia., Out 2007. V.2, n.2, p. 747-751.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo: Embrapa Florestas, 2003. v. 1. 1039 p.

FERNANDES, E. T.; FAVERO, S. Óleo essencial de Schinus molle L. para o controle de Sitophilus zeamais Most. 1855 (Coleoptera:Curculionidae) em milho. Rev. Bras. de Agroecologia. 9(1): 225-231 (2014) ISSN: 1980-9735

GOMES, G. C. Composição e aspectos ecológicos da flora arbustivo-arbórea nativa da serra dos Tapes Pelotas, 2009. Dissertação (Mestrado) –Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar. Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. Universidade Federal de Pelotas. Pelotas, 2009.

LORENZI, H. Árvores brasileiras; manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa, SP: Plantarum, 1992. 352 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras; manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Vol. 2. Nova Odessa, SP: Plantarum, 1998. 352 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras; manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Vol. 3. Nova Odessa, SP: Plantarum, 2009. 352 p.

MACIEL, M. A. M. et. al. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Quim Nova, v. 25, n. 3, p. 429-438, 2002.

MARONGIU B. et. al. Chemical composition of the oil and supercritical CO2 extract of Schinus molle L.. Flavour and Fragrance Journal, v. 19, p. 554-558, 2004.

MUÑOZ, J. et. al. Flora indígena del Uruguay: árboles y arbustos ornamentales. Montevideo: Hemisferio Sur, 2005. 320 p.

PIEDRABUENA, F. P. Flora nativa: arboles y arbustos del uruguay y regiones vecinas. Maldonado: Ed. Guyunusa, 2004. 213 p.

PRIMACK, R. B.; RODRIGUES, E. Biologia da conservação. Londrina: Vida, 2001. 327 p.

REITZ, R. et. al. Projeto madeira do Rio Grande do Sul. Sellowia, Itajaí, n.34/35, p.1-525, 1983.

ROSSATO, M., BARBIERI, R. L. Estudo etnobotânico de palmeiras do Rio Grande do Sul. Ver. Bras. Agroecologia, v.2, n.1, fev. 2007.

SANCHOTENE, M. M. C. Frutíferas nativas úteis à fauna na arborização urbana. Porto Alegre, Feplam. 1985. 311p.

SOBRAL, M. E. G. et. al. Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. São Carlos: Ed. Rima e Ed. Novo Ambiente, 2006. 350 p.

SOUZA, C.A. 2001. Estrutura do componente arbóreo de floresta pluvial subtropical na Serra dos Tapes, sul do Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado em Botânica), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 80p.

SOUZA, V.C.; LORENZI, H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em. APG II. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2005. 640 p.

STUMPF, E. R. T. et. al. Espécies nativas do Bioma Pampa para uso como folhagem de corte. Rev. Bras. de Horticultura Ornamental. v.14, n.2. 2009. p. 123-133.

STUMPF, E. T. et. al. Características ornamentais de plantas do Bioma Pampa. Rev. Bras. de Horticultura Ornamental. v.15, n.1. 2009. p. 49-62.

TOLEDO, V.M. & BARRERA-BASSOLS, N. La memoria biocultural: la importancia ecológica de las sabidurías tradicionales. Barcelona: Icaria Editorial, 2008, 232 p.

VENZKE, T. S. Florística, estrutura e síndrome de dispersão de sementes em estágios sucessionais da mata ciliar no município de Arroio do Padre, RS, Brasil (2012). Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Viçosa.

WOLF, L. F. et. al. SAF Apícola: sistema agroflorestal integrando abelhas melíferas africanizadas, abelhas nativas sem ferrão, aroeira-vermelha e videiras em propriedade familiar de base ecológica. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2009. 26p. (Embrapa Clima Temperado. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 84).

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são dos autores, com direitos de primeira publicação para a revista.

Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.