Avaliação da qualidade fisiológica e sanitária de sementes de feijão-vagem (Phaseolus vulgaris L.) produzidas sob manejo orgânico e submetidas ao congelamento.
PDF

Palavras-chave

Agricultura orgânica
Phaseolus vulgaris L.
Congelamento

Como Citar

Brito, R., Lopes, H. M., de Araújo Fernandes, M. do C., de Aguiar, L. A., & Ceará, P. S. (2013). Avaliação da qualidade fisiológica e sanitária de sementes de feijão-vagem (Phaseolus vulgaris L.) produzidas sob manejo orgânico e submetidas ao congelamento. Revista Brasileira De Agroecologia, 8(3). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/13263

Resumo

Resumo Com o avanço da agricultura orgânica, cresce a demanda por sementes de qualidade oriundas desse sistema de produção. O uso de agroquímicos é amplamente utilizado no tratamento de sementes convencionais. No entanto, estes produtos são vetados em todo o manejo do sistema orgânico de produção. Tratamentos alternativos devem ser utilizados com eficiência, preservando a qualidade física, fisiológica e sanitária das sementes. O presente trabalho teve por objetivo avaliar a qualidade fisiológica e sanitária de sementes de feijão vagem produzidas sob o cultivo orgânico e submetidas ao congelamento. Os experimentos foram conduzidos no Laboratório de Controle de Qualidade de Sementes, do Instituto de Agronomia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, e no laboratório de Análises de Sementes do Centro Estadual de Pesquisa em Agricultura Orgânica (CEPAO) /Empresa de pesquisa agropecuária do Estado do Rio de Janeiro (PESAGRO-RIO RJ), ambos localizados no município de Seropédica-RJ. Dois lotes de sementes orgânicas de feijão-vagem, com teores de água de 9 e 12% foram acondicionados em garrafas PET (politereftalato de etileno) no freezer à uma temperatura de -18° C por 24 e 48 horas. Avaliou-se a qualidade fisiológica por meio dos testes de germinação e vigor (primeira contagem e condutividade elétrica) e a sanidade através do Blotter test. Utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado com quatro repetições em esquema fatorial 2 x 2 x 2 (dois lotes x dois teores de água x dois períodos de exposição à temperatura de -18°C). Sementes com teores de água 9 e 12 % submetidas à temperatura de -18°C não apresentaram redução da qualidade fisiológica quando o tempo de exposição utilizado foi de 24 horas. O congelamento durante o período de 24 horas diminuiu a incidência de fungos nas sementes dos dois lotes avaliados.
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são dos autores, com direitos de primeira publicação para a revista.

Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.