Qualidade de mudas de tomate em função do substrato e irrigação com efluente de pisicultura
PDF

Palavras-chave

Lycopersicon esculetum (L.) H. Karst.
crescimento
massa seca

Como Citar

Medeiros, D. C. de, Azevedo, C. M. da S. B., Sousa, R. A., Oliveira, C. J. de, & Marques, L. F. (2013). Qualidade de mudas de tomate em função do substrato e irrigação com efluente de pisicultura. Revista Brasileira De Agroecologia, 8(2). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/10389

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar a produção de mudas de tomate em três substratos sob irrigação com efluente de piscicultura. O experimento foi conduzido na horta do Departamento de Ciências Vegetais, na Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Mossoró/RN. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3 x 2, com quatro repetições, sendo os tratamentos constituídos pelas combinações tipos de substrato (Plantmax®, composto orgânico e areia lavada) com fonte de água de irrigação (efluente de pisicultura e água de poço). A avaliação foi feita aos 24 dias da germinação através de número de folhas, altura da parte aérea, comprimento da raiz principal, massa seca da parte aérea e massa seca do sistema radicular. O composto orgânico e a areia lavada são os substratos mais indicados para a produção de mudas de tomateiro em função de proporcionar maior para número de folhas, altura da planta e massa seca da parte aérea e massa seca da raiz. O efluente de piscicultura influencia em um maior crescimento da raiz, matéria seca da parte aérea e matéria seca da raiz quando comparada a água de poço tubular.
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.