Produção e qualidade da beterraba em função da adubação com esterco bovino
PDF

Palavras-chave

Beta vulgaris
adubação orgânica
pós-colheita.

Como Citar

Façanha Marques, L. L., Cleuma de Medeiros, D. D., de Lima Coutinho, O., Façanha Marques, L. L., de Bandeira Medeiros, C. C., & Silva do Vale, L. L. (2010). Produção e qualidade da beterraba em função da adubação com esterco bovino. Revista Brasileira De Agroecologia, 5(1). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/7602

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar a produção e qualidade da beterraba (Beta vulgaris L.) em função de diferentes dosagens de esterco bovino. O experimento foi conduzido na horta do Departamento de Ciências Vegetais da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Mossoró – RN. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados com quatro repetições e cinco tratamentos, sendo estes: 0; 20; 40; 60 e 80 t ha-1 de esterco bovino. As variáveis analisadas foram: produção total das raízes, produção comercial das raízes, massa média das raízes comerciais, altura da parte aérea, teor de sólidos solúveis, teor de ácido ascórbico, acidez titulável, pH e firmeza da raiz. Verificou-se que as doses de esterco não tiveram influência para teor de sólidos solúveis, pH e firmeza de raiz. Para produção total, comercial e massa média das raízes comercializáveis, assim como altura da planta, teor de ácido ascórbico e acidez titulável, melhores resultados foram obtidos com a dose máxima de esterco (80 t ha-1), demonstrando que a aplicação da matéria orgânica em solos tropicais é de suma importância para o sucesso da agricultura.
PDF

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.