QUINTAIS AGROFLORESTAIS: ESTRUTURA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIOPRODUTIVA
PDF

Palavras-chave

Autoconsumo familiar
Diversidade de espécies
Sustentabilidade

Como Citar

DE OLIVEIRA MOURA, R. R., DE OLIVEIRA MOURA, N., ROCHA MARTINS, W. B., & DE SOUSA OLIVEIRA, C. D. (2021). QUINTAIS AGROFLORESTAIS: ESTRUTURA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIOPRODUTIVA: ESTRUTURA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIOPRODUTIV. Revista Brasileira De Agroecologia, 16(1), 60–72. https://doi.org/10.33240/rba.v16i1.23087

Resumo

Os quintais agroflorestais são representações de sistemas diversificados, fundamentados em conhecimentos tradicionais, sendo o manejo pautado em saberes agroecológicos, que abrangem o modo de vida do agricultor. Desse modo, o objetivo foi avaliar a estrutura, composição e a organização socioprodutiva de quintais agroflorestais em comunidades rurais do município de Igarapé Açu, Pará. O estudo foi realizado em dez quintais agroflorestais, localizados nas comunidades do Triângulo, São Jorge do Jabuti, Limão e Dezesseis, localizadas no município de Igarapé-Açu. A metodologia baseou-se em formulários, entrevistas semiestruturadas, técnica turnê guiada, bola de neve e observação direta. Constatou-se que os quintais agroflorestais eram compostos, principalmente, por espécies agrícolas, medicinais e florestais, com expressiva diversidade e distribuição desuniforme. O componente animal mais frequente foram as aves, mantidas com o intuito de assegurar a soberania e segurança alimentar das famílias.

https://doi.org/10.33240/rba.v16i1.23087
PDF

Referências

ALBUQUERQUE, U.P.; LUCENA, R.F.P. Métodos e técnicas para a coleta de dados. In: U.P. Albuquerque; R.F.P. Lucena (org.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. Livro Rápido. Recife: NUPEEA, 2004. p. 37-62.
ALMEIDA, L. S.; GAMA, J. R.V. Quintais agroflorestais: Estrutura, composição florística e aspectos socioambientais em área de assentamento rural na Amazônia brasileira. Ciência Florestal, v. 24, n. 4, p. 1041-1053, 2014.
Angiosperm Phylogeny Group - APG. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v.161, p.105-121, 2009.
BAILEY, K. D. Methods of social research. 2. ed. New York: McMillan Publishers, 1982, 533p.
BASTOS, T. X.; PACHECO, N. A. Características agroclimáticas de Igarapé-Açu-PA e suas implicações para as culturas anuais: feijão caupi, milho, arroz e mandioca. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 1999. 30p.
BIRHANE, E. et al. Carbon stock and woody species diversity in homegarden agroforestry along an elevation gradient in southern Ethiopia. Agroforestry Systems, n.94, p. 1099–1110, 2020.
BRASIL. Lei 11.346 DE 15 de setembro de 2006. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2006.
COSTA, G. C.; et al. Caracterização socioeconômica e levantamento de espécies vegetais em quintais agroflorestais da zona rural do município de Parauapebas, Pará. Agroecossistemas, v.9, n.1, p.199–211, 2017.
DUBOIS, J. C. L. Manual agroflorestal para a Amazônia. 1 ed. Rio de Janeiro: REBRAF, 1996. 228p.
FERREIRA, D. C. F.; et al. Sistemas agroflorestais comerciais em áreas de agricultores familiares no município de Altamira, Pará. Re. Bras. De Agroecologia. v.9, n.3, p.104-116, 2014.
FONSECA, S. S.; CASTRO, R. R. A. Cultivo e beneficiamento de Manihot esculenta Crantz. pelos agricultores familiares da comunidade Açaizal Monte Alegre, Pará. Revista Agroecossistemas, v. 9, n. 1, p. 21-31, 2017.
GEORGE, M. V.; CHRISTOPHER, G. Structure, diversity and utilization of plant species in tribal homegardens of Kerala, India. Agroforestry Systems, v. 94, n. 1, p. 297-307, 2020.
GOMES, K. B. P. et al. Quintais agroflorestais: características agrossociais sob a ótica da agricultura familiar. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, v. 9, n. 4, p. 111-124, 2018.
GONÇALVES, J. P.; LUCAS, F. C. A. Agrobiodiversidade e etnoconhecimento em quintais de Abaetetuba, Pará, Brasil. R. bras. Bioci., v.15, n.3, p.119-134, 2017.
GRISA, C.; SCHNEIDER, S. Plantar pro gasto: a importância do autoconsumo entre famílias de agricultores do Rio Grande do Sul. RER, v. 46, n. 2, p. 481-515, 2008.
HAYDEN, D. A.; FRANÇA, C. F. Dinâmica do uso e ocupação do solo no município de Igarapé-Açu/Pará, entre 1989 E 2008. Rev. Perspectiva geográfica, v.8, n.9, 2013.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo agropecuário 2006. Brasília: IBGE, 2009. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRÁFIA E ESTATISTICA-IBGE. Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2011.
JEGORA, T.; et al. Woody Species Diversity and Management in Homegarden Agroforestry: The Case of Shashemene District, Ethiopia. International Journal of Forestry Research, v. 2019, p.1-6, 2019.
MAAS, N. M. et al. Insegurança Alimentar em famílias de área rural do extremo sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, p. 2605-2614, 2020.
MACHADO, D. O. A agrobiodiversidade de quintais agroflorestais em propriedades agrícolas familiares na BR 174, ramal do Pau-Rosa, Manaus, Am. 2016. 99p. Dissertação (Mestrado em Agricultura no Trópico Úmido) - Setor de Agricultura no Trópico Úmido, Instituto Nacional De Pesquisas Da Amazônia, Manaus, 2016.
MAGURRAN, A. E. Medindo a diversidade biológica. 1 ed. Curitiba: UFPR, 2011. 262 p. Tradução de Dana Moiana Vianna, Curitiba: UFPR, 2011. 262 p.
MANZINI, E. J. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. In: Seminário internacional sobre pesquisa e estudos qualitativos, v. 2, 2004, Bauru. A pesquisa qualitativa em debate. Anais... Bauru: USC,2004.
MEDEIROS, A. P.; et al. Causalidade entre crédito, preços e produção agrícola. Revista de Política Agrícola, v. 26, n. 4, p. 71-85, 2017.
MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA. Política Nacional De Assistência Técnica e Extensão rural.
Brasília, 2004. 22p.
MIRANDA, R. R. Interfaces do rural e do urbano em área de colonização antiga na Amazônia: estudo de colônias agrícolas em Igarapé-Açu e Castanhal (PA). Revista de Geografia Agrária, v.7, n.14, p.1-36, 2012.
NAIR, P. K. P. An Evaluation of the Structure and Function of Tropical Homegardens. Agricultural Systems, v.21, p.279-310, 1986.
ODUM, E. P. Fundamentos de ecologia. 6 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001. 927p.
RAYOL, B. P.; MIRANDA, I. S. Quintais agroflorestais na Amazônia Central: caracterização, importância social e agrobiodiversidade. Ciência Florestal, v. 29, n. 4, 2019.
REZENDE, A. V. Diversidade, estrutura, dinâmica e prognose do crescimento de um cerrado senso stricto submetido a diferentes estudos por desmatamento. 2002. 269p. Tese (Doutorado em engenharia florestal) - Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2002.
SILVA, J. R. O. et al. As plantas e seus usos nos quintais de Alta Floresta, Mato Grosso. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 14, n. 3, p. 420-428, 2019.
SILVA, L. L. et al. Aumentar as competências dos agricultores para a prática de uma agricultura sustentável. Revista de Ciências Agrárias, v. 43, n. 2, p. 240-252, 2020.
SILVA, Y. L. et al. A produção animal na economia da agricultura familiar: Estudo de caso no semiárido brasileiro. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 35, n. 1, p. 53-74, 2018.
TADESSE, E. et al. Contrasting Species Diversity and Values in Home Gardens and Traditional Parkland Agroforestry Systems in Ethiopian Sub-Humid Lowlands. Forests, v. 10, n. 3, p. 266, 2019.
VENDRAMINI, A. L. et al. Segurança Alimentar: conceito, parâmetros e história. Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades, Niterói, 2012.
VIEIRA, T. A.; ROSA, L. S.; SANTOS, M. M. L. S. Agrobiodiversidade de quintais agroflorestais no município de Bonito, Estado do Pará. Rev. Cienc. Agrar, v.55, n.3, p.159-166, 2012.
VIEIRA, T. A.; et al. Sistemas agroflorestais em áreas de agricultores familiares em Igarapé-Açu, Pará: caracterização florística, implantação e manejo. Acta Amazonica, v. 37, n. 4, p. 549-557, 2007.
VIEIRA, S. Como elaborar questionários. 1.ed. São Paulo: Atlas, 2009

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.

Métricas

Carregando Métricas ...