Avaliação de cultivares de pepino para conserva em manejo convencional e alternativo
PDF

Palavras-chave

Cucumis sativus
Diaphania spp
sistemas de produção

Como Citar

Vieira Neto, J., Menezes Júnior, F. O. G. de, & Gonçalves, P. A. de S. (2016). Avaliação de cultivares de pepino para conserva em manejo convencional e alternativo. Revista Brasileira De Agroecologia, 11(3). Recuperado de https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/16657

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar a produtividade de cultivares de pepino para conserva e a rentabilidade da cultura em sistemas de produção convencional e alternativo. Dois experimentos foram conduzidos na Epagri, EE de Ituporanga em blocos casualizados com onze cultivares e quatro repetições. Os ensaios foram instalados em outubro de 2011 (convencional) e em setembro de 2012 (alternativo: sem agrotóxicos). As cultivares Zapata, Ajax F1 e Monalisa F1 alcançaram maiores valores de massa fresca de frutos por planta, média de 55,90 t ha-1, convencional. No cultivo alternativo a produtividade média das duas cultivares mais produtivas (Amour F1, Ajax F1) atingiu 31,37 t ha-1. As cultivares Marinda, Amour F1, Monalisa F1, Zapata e Ajax F1, obtiveram maiores rendimentos em número de frutos por planta com valores entre 68,65 a 83,64 (convencional) e com Ajax F1 e Amour F1 (68,06 a 71,58) (alternativo). Os maiores rendimentos de frutos comerciais variaram entre 90,32 a 93,48% (convencional) e 70,78 a 87,28% (alternativo). A rentabilidade proporcionou retorno do investimento e remuneração da mão de obra já a partir da primeira safra de primavera, nos dois manejos.
PDF

Referências

BAPTISTA, G.C. et al. Deltamethrin residues applied as different formulations in staked cucumber and the actions of insecticides on pickleworm control. Horticultura Brasileira, Brasília, v.26, p. 321-324, 2008.

BAVARESCO, A. Efeito de tratamentos alternativos no controle de Diaphania spp. (Lepidoptera: Grambidae) em pepino. Acta Scientiarum Agronomy, Maringá, v.29, n.3, p. 309-313, 2007.

COMISSÃO DE FERTILIDADE DO SOLO DOS ESTADOS DO RS E SC. Recomendações de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre: SBCS – Núcleo Regional Sul/CNPT/EMBRAPA, 2004. 224p.

FERREIRA, D.F. SISVAR: um programa para análises e ensino de estatística. Revista Symposium, Lavras, v.6, p. 36-41, 2008.

MARTINS, C. N. Pepino: produção triplicada. Capturado em 1 fevereiro de 2013. Online. Disponível na Internet: <http://www.grupocultivar.com.br/arquivos/hf24_producao.pdf>.

MONTEIRO, B.C.B. de A. et al. Desempenho de híbridos de couve-flor de verão em Jaboticabal. Horticultura Brasileira, Brasília, v.28, n.1, p. 115-119, 2010.

PEGORARO, R.A. et al. Produtos alternativos para o controle de brocas-das-curcubitáceas na produção de pepino para picles. Agropecuária Catarinense, Florianópolis, v. 23, n.3, p. 37-39, 2010.

REBELO, J. A. et al. Cultivo do pepineiro para picles no Vale do Rio Itajaí e Litoral Catarinense. Florianópolis: Epagri, 2011. 55p. (Boletim Técnico, 154).

RESENDE, G.M. et al. Produção de pepino para conserva no Vale do São Francisco. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v.27, p.1183-1188, 2003.

RESENDE, G.M. de; FLORI, J.E. Rendimento e qualidade de cultivares de pepino para processamento em função do espaçamento de plantio. Horticultura Brasileira, Brasília, v.22, n.1, p. 117-120, 2004.

SCHALLENBERGER, E. Pepino orgânico tem alta produtividade sem uso de agroquímicos. Capturado em 4 de fevereiro de 2013. Online. Disponível na Internet <http://www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.asp?id=21191&secao=Pacotes%20Tecnol%F3gicos&t=EPAGRI>.

SILVA, A.C.F. et al. Comportamento de cultivares de pepino para indústria no Baixo Vale do Itajaí, Estado de Santa Catarina. Florianópolis: EMPASC, 1979. 7p. Comunicado Técnico, 27.

Aviso de Copyright
Os direitos autorais para artigos publicados nesta revista são dos autores, com direitos de primeira publicação para a revista.

Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de distribuição gratuita, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais com licenciada através da CC BY-NC-SA.