Agricultura familiar no quilombo de Abacatal: Os modos de produção são sustentáveis?

Autores

  • Isis Caroline Siqueira Santos Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Aline Noronha Costa Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Helder Ferreira Martins Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Andréia Costa de Sousa Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Luiz Augusto Silva de Sousa Universidade Federal Rural da Amazônia

Resumo

O quilombo de Abacatal foi formado por negros alforriados e a terra proveniente de herança. A agricultura é de subsistência, o excedente é comercializado. O objetivo foi verificar como as famílias se organizam e se os modos de produção são sustentáveis. Foi realizado questionário e dividido em duas seções mediante o objetivo do trabalho. As famílias têm muitas dificuldades em trabalharem coletivamente e os modos de produção são insustentáveis pelo uso do fogo na limpeza das áreas, falta de manejo impróprio do solo e falta de acompanhamento técnico especializado.

Biografia do Autor

Isis Caroline Siqueira Santos, Universidade Federal Rural da Amazônia

Discente

Aline Noronha Costa, Universidade Federal Rural da Amazônia

Discente

Helder Ferreira Martins, Universidade Federal Rural da Amazônia

Discente

Andréia Costa de Sousa, Universidade Federal Rural da Amazônia

Professora Dra. do Instituto Sócio Ambiental e dos Recursos Hídricos - UFRA

Luiz Augusto Silva de Sousa, Universidade Federal Rural da Amazônia

Professor Dr. Biologia Vegetal

Referências

FIDELIS, Lourival de Moraes. Agricultura quilombola e suas interfaces com a agroecologia: história e tradições ligadas à agricultura tradicional do quilombo João Surá. Curitiba: 2006.

GOMES, Jorge Evandro Santos. Intervenção e Exploração de Recursos Naturais em Comunidade Quilombola: o caso de Abacatal. Belém: UFPA – Centro de Ciências Agrárias, EMBRAPA Amazônia Oriental, 2005.

MARIN, Rosa E. A. & CASTRO, Edna M. R. Experiência Social de Grupos Negros no Pará: No caminho de Pedras de Abacatal. Projeto de pesquisa mapeamento de comunidades negras no Pará: ocupação do território e uso de recursos, descendência e modo de vida . Núcleo de Altos Estudo Amazônicos da Universidade Federal do Pará. Belém: NAEA/ UFPA, 2ª. Ed. 2004 (1ª ed. 1999).

MOURA, Gloria. Quilombos contemporâneos no Brasil. In: Chaves, R.; Secco, C. & Macedo Tânia. Brasil/África: como se o mar fosse mentira. São Paulo : Ed. UNESP; Luanda, Angola : Chá de Caxinde,2006.

WANDERLEY, M. N. B. Raízes Históricas do Campesinato Brasileiro. In: Agricultura Familiar: realidade e perspectivas. Tedesco, João Carlos (organizador). Universidade de Passo Fundo: EDIUPF. 2. ed. 1999. p.23.

SCHMITT, A. TURATI, M. C. M. PEREIRA, C. M. C. A Atualização do conceito de quilombo: identidade e território nas definições teóricas. Revista Ambiente & sociedade – ano – V – número 10. São Paulo - SP 2002.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 1. Sócio biodiversidade e Território.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)