Descrição morfométrica de sementes crioulas de milho (Zea mays) em comunidades tradicionais no Estado do Maranhão

Autores

  • Georgiana Eurides de Carvalho Marques José Ribamar Araujo Carvalho e Maria da Paz Viana de Carvalho
  • Marciel Nascimento Justino Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão
  • Flora Thaynã Seixas de JESUS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão
  • Vivian Carmo LOCH Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão
  • Cidvânia Andrade de OLIVEIRA Associação Agroecólogica Tijupá,

Resumo

A presente pesquisa baseou-se na caracterização de sementes crioulas de milho (Zea mays) através da análise morfométrica e de peso, em comunidades tradicionais em três municípios no Estado do Maranhão. A identificação de sementes crioulas foi realizada a partir das descrições feitas pelos agricultores familiares. Foi analisado o peso para cem gramas de sementes, comprimento, largura e espessura das sementes em laboratório e posterior análises estatísticas através do teste de Tukey a 5%. Ao total foram caracterizadas onze sementes de milho crioulo em seis comunidades tradicionais. Os caracteres morfométricos analisados demonstraram diferenças significativas entre as sementes crioulas pesquisadas, evidenciando que os descritores avaliados podem ser utilizados como ferramenta para auxilio na identificação de sementes crioulas de milho, assim como, contribuir para a conservação dos saberes locais e da agrobiodiversidade em comunidades tradicionais.

Biografia do Autor

Georgiana Eurides de Carvalho Marques, José Ribamar Araujo Carvalho e Maria da Paz Viana de Carvalho

Departamento de Química, Profa. MSc em Agroecologia, IFMA

Marciel Nascimento Justino, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão

Estudante, Licienciatura em Química

Flora Thaynã Seixas de JESUS, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão

Estudante, Licienciatura em Biologia

Vivian Carmo LOCH, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão

Engenheira agrônoma, IFMA

Cidvânia Andrade de OLIVEIRA, Associação Agroecólogica Tijupá,

Engenharia Agrônoma

Referências

CARNEIRO, J. W. P; Amaral, T. A. G. Descrição do tamanho de sementes de milho em lotes disponíveis no comércio. Revista Brasileira de sementes, v.23, n.2, p.209-214. 2001.

MARCON, M. C et al. Levantamento de população “crioula” e milho no Planalto Serrano Catarinense. Rev. Bras. de Agroecologia, v. 4, n.2. p. 2089-2092. 2009.

MIRANDA, G. V.; SOUZA, L. V. de; SANTOS, I. C. dos; MENDES, F. F. Resgate de variedades crioulas de milho na região de Viçosa-MG. Rev. Bras. Agroecologia, v.2, n.1, fev. 2007. p.1145-1148.

BRASIL. LEI No 10.711, de 5 de agosto de 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.711.htm. Acesso em: mar. 2014.

PANDOLFO, M. C. et al. Guardiões da Agrobiodiversidade: estratégias e desafios locais para o uso e a conservação das sementes crioulas. Agriculturas, v. 11, n. 1, abril, p 1-4, 2014.

TRINDADE, C. C. Sementes crioulas e transgênicos. Uma reflexão sobre sua relação com as comunidades tradicionais, In XV Congresso Nacional do Conpedi, Manaus, nov. p.15-18. 2006.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 3. Sistemas de Produção Agroecológica.