Reconhecimento das práticas de cultivo de plantas medicinais de idosos, em Lagoa Seca – PB

Autores

  • Ana Carolina Bezerra Universidade Estadual da Paraíba
  • Alfredo Rosas de lima Junior Universidade Estadual da Paraíba
  • Luana da Silva Barbosa Universidade Estadual da Paraíba
  • Edvânia Abdon da Silva Universidade Estadual da Paraíba
  • Camila Firmino de Azevedo Universidade Estadual da Paraíba

Resumo

O acúmulo de conhecimentos empíricos sobre a ação dos vegetais vem sendo transmitido desde as antigas civilizações até os dias atuais. Diante disso, o objetivo desse trabalho foi conhecer as práticas de cultivo de plantas medicinais de idosos, em Lagoa Seca – PB; e a partir de então, incentiva-los a adotarem práticas corretas de cultivo e de utilização das plantas medicinais, a fim de aperfeiçoar sua produção. Os resultados da pesquisa mostram que 60% idosos observaram o aparecimento de pragas em sua produção, bem como, 86,7% afirmou a não utilização de agrotóxico nos cultivos de plantas medicinais. Vale destacar também que a maioria dos idosos disse que os agrotóxicos são prejudiciais (76,7%) e que é possível cultivar sem sua utilização (93,3%). A maioria dos idosos da turma da Universidade Aberta a Maturidade – UAMA, em Lagoa Seca – PB tem algum tipo de planta medicinal cultivada na sua propriedade ou residência e de forma geral, conhecem boas práticas de manejo que promovem a qualidade das plantas medicinais.

Biografia do Autor

Ana Carolina Bezerra, Universidade Estadual da Paraíba

Graduanda em agroecologia

Referências

BARBOSA, C. K. R. et al. Qualidade microbiológica de plantas medicinais cultivadas e comercializadas em Montes Claros, MG. Biotemas, V.23, n.1, p. 77-81, 2010.

BRASILEIRO, B.G. et al. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no programa de saúde da família de Governador Valadares-MG Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v.44, n.4, p.629-636, 2008.

CORRÊA, A. D.; BATISTA, R. S.; QUINTAS L. E. M. Plantas medicinais: do Cultivo à terapêutica. Rio de Janeiro, Ed. Vozes, 1998.

DEFANI, Marli Aparecida; PEREIRA, Marli Candido. Plantas Medicinais: Modificando Conceitos. 2009

DORIGONI, P. A. et al. Levantamento de dados sobre plantas medicinais de uso popular no município de São João do Polêsine, RS, Brasil. I – Relação entre enfermidades e espécies utilizadas. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 4, n. 1, p. 69-79, 2001.

GAMA, M.A.X.; SILVA, M.J.P. A utilização da fitoterapia por idosos de um Centro de Saúde em área central da cidade de São Paulo. Saúde Coletiva, v.11, n.3, p.79-84, 2006.

RODRIGUES, V. G. S. Cultivo, uso e manipulação de plantas medicinais. Porto Velho: Embrapa Rondônia, 2004.

TRESVENZOL, L. M. et al. Estudo sobre o comércio informal de plantas medicinais em Goiânia e cidades vizinhas. Revista Eletrônica de Farmácia. v. 3, n. 1, p. 23-28, 2006.

World Health Organization. The importance of Pharmacovigilance - Safety Monitoring of Medicinal Products. Geneva,2002

VEIGA JUNIOR, V. F. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Rev. Bras. Farmacognosia. v.18, n.2, p.308-13, 2008.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 3. Sistemas de Produção Agroecológica.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)