Indicação Geográfica como alternativa de desenvolvimento agroecológico

Autores

  • Djeimella Ferreira de Souza Universidade Federal de Mato Grosso
  • Evelin Caroline de Paula Universidade Federal de Mato Grosso
  • Felipe Angelo da Silva Universidade Federal de Mato Grosso
  • Idineia Bressan Universidade Federal de Mato Grosso
  • Eduardo de Oliveira Lopes Universidade Federal de Mato Grosso

Palavras-chave:

Indicação Geográfica, Agroecologia, Desenvolvimento territorial. Competitividade.

Resumo

Uma alternativa para agregar valor aos produtos agroecológicos da região amazônica, fixação do homem no campo, manutenção dos povos da floresta, além da valorização cultural e autóctone, é apresentado neste estudo pelo uso da indicação geográfica. Indicado como diferencial competitivo, meio de acreditação e procedência ao associar os produtos às características intrínsecas de cada região, fortalecendo o desenvolvimento territorial e sustentável.

Biografia do Autor

Djeimella Ferreira de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso

Estudante Voluntária a Iniciação Científica, graduanda no Curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso

Evelin Caroline de Paula, Universidade Federal de Mato Grosso

Graduada em Administração pela UFMT Rondonópolis MT Especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior

Felipe Angelo da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso

Estudante Voluntário a Iniciação Científica, graduando no Curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso

Idineia Bressan, Universidade Federal de Mato Grosso

Docente de Administração da FAeC na UFMT Cuiabá MT

Eduardo de Oliveira Lopes, Universidade Federal de Mato Grosso

Estudante Voluntário de Iniciação Científica, graduando no Curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso

Referências

BRUCH, Kelly Lissandra. Indicações Geográficas para o Brasil: problemas e perspecitvas. UFSC, 2009. Disponível em: < http://nute.ufsc.br/bibliotecas/upload/indica%C3%A7%C3%B5es_geogr%C3%A1ficas_para_o_brasil-_problemas_e_perspectivas.pdf< Acesso dia 23 fev 2015.

MINTZBERG, H. QUINN, J. B. O processo da estratégia. 3ed. Porto Alegre. Editora Bookman, 2001.

MMA, Ministério do Meio Ambiente. Bioma Amazônia. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/biomas/amaz%C3%B4nia> Acessado dia 19 fev de 2015

OLIVEIRA, Ramon. WEHRMANN, Magda. Geographical indication is a good alternative for exploitation of the Brazilian agribusiness products. Disponível em <http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=1145a30ff80745b5> Acessado em 18 de fev de 2015.

INPI, Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Guia Básico – Indicação Geográfica. Publicado pelo CGCOM 6 out 2014. Disponível em < http://www.inpi.gov.br/portal/artigo/guia_basico_indicacao_geografica< Acesso dia: 18 de fev 2015.

FRANCO, A. Porque precisamos de desenvolvimento local integrado e sustentável. Brasília: Instituto de Política, 2000.

WIPO, World Intellectual Property Organization. Registro das Indicações Geográficas. Resolução INPI nº 075, de 28 de novembro de 2000. Disponível em: <http://www.wipo.int/wipolex/en/text.jsp?file_id=205193< Acesso dia:

ASSIS, Renato Linhares de. Desenvolvimento Rural Sustentável no Brasil: Perspectiva a partir da integração de ações públicas e privadas com base na agroecologia. Revista Aplicada, 10(1): 75-89 jan-marc, 2006.

DOXSEY J. R.; DE RIZ, J. Metodologia da pesquisa científica. ESAB – Escola Superior Aberta do Brasil, 2002-2003. Apostila.

SILVEIRA, Tatiana Engel Gerhardt e Denise Tolfo. Método de Pesquisa. coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 2. Estratégias de Desenvolvimento Socioeconômico.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)