ESTIMATIVA DE BIOMASSA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) EM MATAS CILIARES DA AMAZÔNIA ORIENTAL

Autores

  • Laiana Martins Leite Universidade Estadual do Maranhão
  • Stefania Pizon Triana Universidade Estadual do Maranhão.
  • Thays Frazão de Jesus Universidade Estadual do Maranhão.
  • Alexandra Rocha da Piedade Universidade Estadual do Maranhão.
  • Guillaume Xavier Rousseau Universidade Estadual do Maranhão.

Palavras-chave:

Bioindicadores, Peso, Hypoponera sp3, Pachycondyla arhuaca.

Resumo

Organismos bioindicadores têm sido amplamente utilizados para avaliar a qualidade ambiental associada a sistemas de uso da terra de origem antrópica, dentre estes a densidade e biomassa de formigas (Hymenoptera: Formicidae). O objetivo deste trabalho foi estimar a biomassa das espécies de formigas (Hyemenoptera: Formicidae) das matas ciliares na Amazônia Oriental. Foram usadas espécies de formigas pertencentes à Coleção de Invertebrados do solo do Maranhão/CISMA/UEMA. Para determinação do peso gradual 10, 20 e 30 indivíduos por espécie se procedeu com a lavagem dos exemplares em água por 5 minutos, secagem imediata em papel filtro e posterior pesagem em balança analítica, em gramas (g). As espécies Pachycondyla harpax, Cephalotes atratus e Ectatoma brunneum totalizam 85,58% do peso das amostras realizadas, sendo as especies mais abundantes nos trópicos e subtrópicos. A biomassa de Hypoponera sp. 3 e Pachycondyla arhuaca foi maior no bosque mais conservado sugerindo ser potencias bioindicadores da degradação de matas ciliares.

Biografia do Autor

Laiana Martins Leite, Universidade Estadual do Maranhão

Graduanda do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Estadual do Maranhão, bolsista da CAPES.

Stefania Pizon Triana, Universidade Estadual do Maranhão.

Bióloga pela Universidad de Tolima (Ibagué, Colômbia). Doutoranda do PPG Agroecologia – UEMA, Bolsista CAPES.

Thays Frazão de Jesus, Universidade Estadual do Maranhão.

Graduanda em Engenharia Agronômica pela Universidade Estadual do Maranhão. Bolsista CAPES.

Alexandra Rocha da Piedade, Universidade Estadual do Maranhão.

Engenheira Agrônoma pela Universidade Estadual do Maranhão.; Mestra em Agroecologia pela Universidade Estadual do Maranhão.

Guillaume Xavier Rousseau, Universidade Estadual do Maranhão.

PhD. em Biologia Vegetal pela Université Laval (Québec, Canadá). Professor do Programa de pós-graduação em Agroecologia na Universidade Estadual do Maranhão, Bolsista Produtividade FAPEMA.

Referências

ALMEIDA, A. S.; VIEIRA, I. C. G. Vegetação Remanescente e Desafios para a Conservação da Biodiversidade e Restauração Ecológica. REU, v. 36, n. 3, p. 95-111, 2010.

ALVES, Castro. Navio negreiro. [S.l.]: Virtual Books, 2000.

ANDERSON, J. M.; INGRAM, J. S. I. Tropical soil biology and fertility: a handbook of methods. 2nd ed. Wallingford: CAB International, 1993. 171 p.

BIANCHINI, E., J.A. PIMENTA & F.A.M.dos. SANTOS. Spatial and temporal variation in a Tropical Semi-deciduous Forest. Brazilian Archives of Biology and Technology 44(3): 269-276, 2001.

CREIGHTON, W.S. Further studies on the habits of Cryptocerus texanus Santschi (Hymenoptera: Formicidae). Psyche, v.70, p.133–143, 1963.

FITTKAU.E, J; KLINGE, H. On biomass and trophic structure of the central Amazonian rain forest ecosystem. Biotropica, v.5, p.2-4, 1973.

GOMES, L. G. F. F. Novela e sociedade no Brasil. Niterói: EdUFF, 1998.

GONÇALVES, S. J. M.; RÊGO, M.; ARAÚJO, A. Abelhas sociais (Hymenoptera: Apidae) e seus recursos florais em uma região de mata secundária, Alcântara, Maranhão, Brasil. Acta Amazônica, v. 26, p. 55-68, 1996.

GURGEL, C. Reforma do Estado e segurança pública. Política e Administração, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 15-21, set. 1997.

HUERTA, E.; BROWN, G. G.; BAUTISTA, F. Macroinvertebrados del suelo y lombrices de tierra. In: ZUÑIGA, F. B.; PRIETO, J. L. P.; BISTRAIN, R. P.; JIMÉNEZ, E. C.; CARRANZA, M. C. D. Tecnicas de muestro para manejadores de recursos naturales. 2ª edic. México: UNAM, p.449-475, 2011.

JAFFÉ, K. C. El mundo de las hormigas. Baruta: Ed. Equinoccio, 1993. 188p.

Lemmon, P.E. A new instrument for measuring forest overstory density. Forest Science 2(1): 314-320, 1957.

LOBRY DE BRUYN, L. A. Ants as bioindicators of soil functions in rural environments. Agric Ecosyst Environ, v.74, p.425-441, 1999.

MACKAY, W.; MACKAY, E. The systematics and biology of the New World ants of the genus Pachycondyla (Hymenoptera: Formicidae). Nova York: The Edwin Mellen Press. Lewiston, 2010. 648 p.

POWELL, S. Blackwell Publishing Ltd Ecological specialization and the evolution of a specialized caste in Cephalotes ants. Functional Ecology, v.22, p.902–911, 2008.

PRIMO.D.C. & VAZ.L.M.S. Degradação e pertubação ambiental em matas ciliares: estudo da caso do rio Itapecuru-Açu em Ponto Novo e Filadélfia Bahia. Dialogos e Ciências, p.1-11, 2006.

RIBEIRO, P. S. G. Adoção à brasileira: uma análise sociojurídica. Dataveni@, São Paulo, ano 3, n. 18, ago. 1998.

Rousseau G. X.; Silva P. R. S.; Carvalho, C. J. R. Earthworms, ants and other arthropods as soil health indicators in traditional and no-fire agro-ecosystems from Eastern Brazilian Amazonia. Acta Zoologica Mexicana, 2: 117-134, 2010.

STATSOFT, INC. Statistica (Data Analysis Software System), Version 7, 2007.

Downloads

Publicado

2016-05-17

Edição

Seção

IX CBA 8. Biodiversidade e Bens Comuns.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)