Lei dos agrotóxicos: Para quê e para quem?

Autores

  • Franciele Coghetto UFSM
  • Clayton Hillig UFSM/Departamento de Educação Agrícola e Extensão Rural
  • José Antônio Louzada UFSM
  • Bianca Mendes UFSM
  • Mauren Buzzatti UFSM

Resumo

RESUMO: Criados para servirem como armas químicas, os agrotóxicos difundidos na agricultura pela Revolução Verde já mataram e envenenaram milhares de pessoas, animais e plantas. No Brasil a Lei n.º 7.802/89, surgiu após intensas manifestações por parte de ambientalistas e foi um ganho retórico para a população brasileira, embora a fiscalização da lei seja pouco eficiente. A discussão gerada acerca dos agrotóxicos ganha cada vez mais importância e espaço, uma vez que a discussão referente a novos modelos de produção que possam ser sustentáveis e limpos começam a ocupar espaços. Porém, no maior consumidor de agrotóxicos do mundo, Brasil, a discussão ainda é internalizada e massificada por ambientalistas, ONGs e movimentos sociais, e dificilmente ganha às manchetes dos detentores da mídia. Neste intuito é preciso avançar e discutir a lei, entre diversos ramos da sociedade e com diversos atores, a fim de desvendar para quê ela serve e a quem serve. Palavras- chave: Armas químicas; venenos agrícolas; agricultura.

Biografia do Autor

Franciele Coghetto, UFSM

Bióloga, Mestra em Engenharia Agrícola (UFSM), Doutoranda em Extensão Rural/UFSM

Clayton Hillig, UFSM/Departamento de Educação Agrícola e Extensão Rural

Médico Veterinário, Mestre em Extensão Rural (UFSM), Doutor em Sociologia(UFRGS), Professor adjunto do Departamento de Educação Agrícola e Extensão Rural e do Programa de Pós Graduação em Extensão Rural/UFSM

José Antônio Louzada, UFSM

Engenheiro agrônomo, Mestrando em Extensão Rural/UFSM, Assessor Técnico Pedagógico ATER/SC, Cooperativa de Trabalho e Extensão Rural Terra Viva

Bianca Mendes, UFSM

Engenheira agrônoma, Mestranda em Extensão Rural/UFSM

Mauren Buzzatti, UFSM

Engenheira Florestal, Mestranda em Extensão Rural/UFSM

Referências

BRASIL. Lei n° 7.802/1989. Institui sobre os agrotóxicos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília DF., 11 de julho de 1989. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L7802.htm>. Acesso em: 3 nov.2013.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Informações sobre a Helicoverpa armigera.Disponível em: < http://www.agricultura.gov.br/combatehelicoverpa>. Acesso em: 4 jan.2014.

COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA RECICLAGEM (CEMPRE): Destino de resíduos tóxicos. Disponível em :< http://www.cempre.org.br/index.php>. Acesso em: 13 out. 2013.

COSTA, G.S.V. Da regulamentação dos agrotóxicos. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11864>. Acesso em: 31 out. 2013.

LUCCHESE , G. Agrotóxicos – construção da legislação. 2005, Biblioteca digital da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/2227/agrotoxicos_construcao_lucchese.pdf?sequence=1> Acesso em: 3 nov. 2013.

MOURA, R.M. Agrotóxicos: heróis ou vilões? a face da questão que todos devem saber. In: Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, vol. 4., 2007, Recife, Anais...Recife, 2007, p.23-49.

RIGOTTO, R.M. Agronegócio causa estrago na saúde do trabalhador. Em pauta- Agrotóxicos: Não engula isso! Do Centro de documentação e Informação, Coordenação Edições Câmara, Brasília, p. 31- 44, 2012.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES TÓXICO FARMACOLÓGICAS: Casos Registrados de Intoxicação Humana por Agente Tóxico, 2010. Disponível em: <http://www.fiocruz.br/sinitox_novo/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=379>. Acesso em:2 nov. 2013.

TERRA, F.H.B; PELAEZ, V. A história da indústria de agrotóxicos no Brasil: das primeiras fábricas na década de 1940 aos anos 2000. Apresentação Oral. Disponível em: <http://www.sober.org.br/palestra/13/43.pdf>. Acesso em: 07 out. 2013.

Downloads

Publicado

2016-05-16

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>