Construção e fortalecimento da agroecologia na Zona da Mata de Minas Gerais: a experiência de ATER Agroecologia em foco.

Autores

  • Natália Faria de Moura Faria Moura Centro de Tecnologia Alternativas da Zona da Mata

Resumo

Em 2013, por meio de chamada pública do MDA, o CTA-ZM foi selecionado para prestar um serviço de ATER pública para 600 famílias de agricultores familiares em 15 municípios, tendo como base a agroecologia. Essa chamada inovou ao definir que 50% do público são mulheres, reconhecendo sua importância na produção. Os objetivos são: aumentar a escala das experiências agroecológicas, ampliar o acesso à políticas públicas, ampliar a autonomia das mulheres e da participação dos jovens. Como resultado, o interesse de agricultoras/es na agroecologia e sua transição em municípios em que o CTA não atuava, a importância das parcerias e das Redes como a AMA e a ANA, e a dificuldade financeira já que os recursos só são liberados após a execução e aprovação pelo MDA.

Biografia do Autor

Natália Faria de Moura Faria Moura, Centro de Tecnologia Alternativas da Zona da Mata

Natália Faria de Moura Licenciada e Bacharel em Geografia pela Universidade Federal de Viçosa. Trabalhou até o final de 2013 como educadora de Geografia e Extensão Rural na Escola Família Agrícola Puris de Araponga-MG, constituindo experiências nas áreas da Educação do Campo, da Educação em Alternância e da Agroecologia. Atuou também como colaboradora da equipe técnica de mobilizadores sociais de Ater da Associação Mineira de Escolas Família Agrícola (AMEFA) na chamada pública do Ater Jovem 2012 do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Hoje atua como agente de ATER no projeto ATER Agroecologia no Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata de Minas Gerais. Eugênio Martins de Sá Resende Atualmente é técnico do Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata (CTA-ZM), e atua no projeto de Assistência Técnica e Extensão Rural em Agroecologia (ATER Agroecológica). Possui experiência teórica e prática em Agroecologia e metodologias participativas com foco no Agricultura Familiar. Lucas Abreu Técnico em Agropecuária pela Escola Família Agrícola de Castelo no Espirito Santo e é estudante de graduação do curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal de Viçosa e técnico do Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata no projeto ATER Agroecologia. Moisés Miguel Estevam Santos Técnico em Agropecuária pela Escola Família Agrícola Paulo Freire em Acaiaca-MG e técnico do Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata no projeto ATER Agroecologia.

Referências

CARDOSO, Irene Maria; FERRARI, Eugênio Alvarenga Construindo o conhecimento agroecológico: trajetória de interação entre ONG, universidade e organizações de agricultores. Agriculturas, v. 3, nº4, dezembro de 2006. p. 28-33.

GUANZIROLI C.E., CARDIN S.E.C.S. (Coord.) (2000). Novo retrato da agricultura familiar: o Brasil redescoberto. Brasília: Projeto de Cooperação Técnica Incra/Fao.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural. Brasília: MDA/SAF/DATER. Maio de 2004.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/decreto/d7794.htm Acesso em 27/04/2015.

Downloads

Publicado

2016-05-18

Edição

Seção

IX CBA-Agroecologia / Relatos de Experiências