Perfil de manejo de solo e planta dos agricultores familiares de João Monlevade – MG

Autores

  • Felipe Carvalho Santana Universidade Federal de Viçosa
  • Adalgisa de Jesus Pereira Universidade Federal de Viçosa
  • Gleicia Miranda Paulino Universidade do Estado de Minas Gerais
  • Robson Pereira Lima Universidade do Estado de Minas Gerais
  • José Olívio Lopes Vieira Junior Universidade Federal de Viçosa

Resumo

Do total de entrevistados, 71% utilizam agrotóxico no controle de pragas/doenças e 29% não, embora não tenham sido específicos sobre como fazer este controle. A maioria afirmou fazer o controle de plantas invasoras através de capina e roçada (82%), 18% fazem este controle utilizando agrotóxico. Quanto ao manejo de solo, 59% dos produtores realizam análise da fertilidade do solo. No entanto, 76% utilizam calcário para a correção do solo, e 66% utilizam adubos químicos, dentre eles NPK (4 14 8 e 20 5 20). Os produtores utilizam esterco bovino e/ou de aves para melhorar a fertilidade do solo e 82% restos de cultura na produção, mas a maioria não realiza a prática da compostagem residual. Conclui-se que os produtores não realizam manejo agroecológico do solo e planta; utilizam agrotóxicos e adubos químicos sem assistência técnica; adubam as culturas sem análise do solo; necessitam de assistência técnica de modo a viabilizar práticas agroecológicas.

Biografia do Autor

Felipe Carvalho Santana, Universidade Federal de Viçosa

Mestrando em Agroecologia

Adalgisa de Jesus Pereira, Universidade Federal de Viçosa

Doutoranda em Fitotecnia

Gleicia Miranda Paulino, Universidade do Estado de Minas Gerais

Professora

Robson Pereira Lima, Universidade do Estado de Minas Gerais

Professor

José Olívio Lopes Vieira Junior, Universidade Federal de Viçosa

Mestrando em Agroecologia

Referências

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Guaíba: Agropecuária, 592 p. 2002.

CARDOSO, I. M.; FERRARI, E. A. Construindo o conhecimento agroecológico: trajetória de interação entre ONG, universidade e organizações de agricultores. Agriculturas, v. 3, n. 4, p. 28-33, dez. 2006.

COSTABEBER, J. A.; CLARO, S. A. Experimentação participativa e referenciais tecnológicos para a agricultura familiar. Ciência e Ambiente, Santa Maria, v. 1, n. 29, p. 31-48, 2004.

LIMA, B.; COSTA, D.; CAVALCANTI, N.; FEITOSA FILHO, N. N. Manual de capacitação da tecnologia social PAIS – Produção Agroecológica Integrada e Sustentável. Brasília: Fundação Banco do Brasil, 2009. 38 p.

PADOVAN, M. P.; CAMPOLIN, A. I. Caminhos para mudanças de processos e práticas rumo à agroecologia. Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste, 51 p. 2011.

TONIASSO, H. R.; SOUZA, C. C.; BRUM, E.; FIGUEIREDO, R. S. Agricultura familiar e associativismo rural – o caso associação harmonia de agricultura familiar de mato grosso do sul e a sua sustentabilidade. Agricultura Familiar e Associativismo Rural. v. 12, n. 2, p. 1-10, jul./dez. 2007.

Downloads

Publicado

2016-05-16

Edição

Seção

IX CBA 5. Construção do Conhecimento Agroecológico

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)