“O labor também é prazer”: a prática e o sentido dos mutirões na comunidade Monte Sião, São Domingos do Capim – PA

Autores

  • Josiele Pantoja Andrade Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas, Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Pará
  • Osvaldo Ryohei Kato Embrapa Amazônia Oriental
  • Ruth Helena Cristo Almeida Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Lucilda Maria Sousa de Matos Embrapa Amazônia Oriental

Resumo

Este trabalho busca compreender o sentido e a prática dos mutirões como uma estratégia de reprodução social e do conhecimento, bem como de reafirmação das relações de reciprocidade. Realizou-se a pesquisa na Comunidade Monte Sião, localizada no Município de São Domingos do Capim, nordeste paraense. Na coleta de dados utilizou-se a entrevista não diretiva e a observação direta. A partir da análise, compreende-se que os mutirões ressignificam-se em Monte Sião como estratégia de reprodução social e do conhecimento. Entre os mutirões praticados, alguns são realizados para Deus, outros para as famílias camponesas e outros para os homens. Tais mutirões são a expressão das relações de reciprocidade camponesa.

Biografia do Autor

Josiele Pantoja Andrade, Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas, Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Pará

Engenheira Agrônoma formada pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2013), e cursa mestrado em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável pelo Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas da Universidade Federal do Pará e Embrapa Amazônia Oriental. Suas atividades são voltadas a Agricultura Familiar, com experiência nas áreas de Sociologia Rural e Agroecologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Extensão Rural, Organização Social do Trabalho.

Osvaldo Ryohei Kato, Embrapa Amazônia Oriental

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal Rural da Amazônia (1978) , mestrado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal de Lavras (1987) e doutorado em Agricultura Tropical pela Universitat Goettingen (1998) . Atualmente é Pesquisador A da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Professor orientador em prog. pós-graduação da Universidade Federal do Pará, Professor Orientador de Prog. Pós-Graduação da Universidade Federal Rural da Amazônia e do Centro de Pesquisa Agropecuária dos Cerrados - Embrapa Cerrados. Tem experiência na área de Agronomia , com ênfase em Ciência do Solo. Atuando principalmente nos seguintes temas: Slash-and-burn, Slash-and-mulch, Fire-free land preparation, Nitrogen dynamics, Eastern Amazon e Crop perfomance.

Ruth Helena Cristo Almeida, Universidade Federal Rural da Amazônia

Bacharel e Licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Pará - UFPA (2002), Mestre em Sociologia Geral pela UFPA (2005) e Doutora em Ciências Agrárias pela Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA (2013). Atualmente é professora da UFRA ministrando a disciplina Sociologia Rural e Agricultura Familiar nos cursos de Agronomia, Engenharia Florestal, Engenharia de Pesca, Medicina Veterinária e Zootecnia. Possui experiência nas área de Sociologia, com ênfase em questões socioambientais, atuando principalmente nos seguintes temas: relações de gênero, agricultura familiar, relação empresas e comunidades, mapeamento participativo de recursos naturais, unidades de conservação e conflitos sociais.

Lucilda Maria Sousa de Matos, Embrapa Amazônia Oriental

Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Pará (1991). Especialização em Administração de Bibliotecas pela Universidade Federal do Pará (1995). Mestre em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável pela Universidade Federal do Pará (2005). Atualmente é assistente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa. Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em técnicas de recuperação de informação. Atua nos seguintes temas: gestão e melhoria de processos, gestão do conhecimento, divulgação da ciência, comunicação da ciência, estudo de usuário.

Referências

BEAUD, Stéphane; WEBER, Florence F. Observar. In:_______. Guia para a pesquisa de campo: produzir e analisar dados etnográficos.Petrópolis: Vozes, 2007, p. 119 – 150. Tradução de Sérgio Joaquim de Almeida.

BRANDÃO, Carlos R. O trabalho como festa: algumas imagens e palavras sobre o trabalho camponês acompanhado de canto. In: GODOI, Emíla Pietrafesa; MENEZES, Marilda Aparecida; MARIN, Acevedo (Orgs.). Diversidade do Campesinato: expressões e categorias: construções identitárias e sociabilidade. São Paulo: Editora UNESP; Brasília: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009, p.39-53.

MICHELAT, G. Sobre a utilização de entrevista não-diretiva e a sociologia. In: THIOLENT, Michel. Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. 5 ed. São Paulo: Polis, 1987, p. 191 – 212.

NODA, S. N.; NODA, H.; PEREIRA, H. S.; MARTINS, A. L. Utilização e apropriação das terras por agricultura familiar amazonense de várzeas. In: DIEGUES, A. C.; MOREIRA, A. C. C. (Org.). Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: NUPAUB-USP. 294p.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Editora UNESP, 2000. p.75-35.

SOUSA, Elton Rodrigues de. Estudo das práticas de mutirão: transformações no conhecimento em comunidades tradicionais do Vale do Mearim, Estado do Maranhão. 2013. 186 f. Dissertação (Mestrado Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável) – Universidade Federal do Pará, Embrapa Amazônia Oriental, Belém, Pará.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 1. Sócio biodiversidade e Território.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>