Reflexões ontológicas e cosmopolíticas para o mundo rural.

Autores

  • Judit Herrera Ortuño Mestranda pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - Porto Alegre, Brasil.
  • Rumi Regina Kubo Professora na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - Porto Alegre, Brasil.

Palavras-chave:

Múltiplas ontologias, cosmopolítica, etno-antropologia, comunidades tradicionais.

Resumo

Este texto pretende constituir-se numa breve reflexão sobre a “virada ontológica” na (sócio)antropologia, como contribuição para a compreensão da complexidade do mundo rural, considerando a rica diversidade de povos e comunidades tradicionais. Levanta-se a perspectiva contemporânea de habitarmos num “cosmos” constituído por “múltiplas ontologias”, num “pluri-verso” formado por “múltiplas realidades atuadas”. A cosmopolítica sugere um “olhar sensível” às diferentes formas de “ser e estar no(s) mundo(s)”, e propõe a negociação “simétrica” quando os encontros entre as distintas “realidades” geram tensões. Para isto, precisa-se da transformação do próprio fazer científico e político, a partir de uma outra visão do cosmos.

Biografia do Autor

Judit Herrera Ortuño, Mestranda pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - Porto Alegre, Brasil.

Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PGDR/UFRGS) - Porto Alegre, Brasil.

Rumi Regina Kubo, Professora na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - Porto Alegre, Brasil.

Doutora em Antropologia Social e Professora do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre – RS, Brasil.

Referências

FLORIANI, Dimas et al. Para pensar a ‘subjetividade’ no debate do sócio-ambientalismo. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPPAS, 4, 2008, Brasília -DP. Anais eletrônicos ANPPAS. Brasília: ANPPAS, 2010. Disponível em: <http://www.anppas.org.br/encontro4/cd/ARQUIVOS/GT15-968-766-20080518224342.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2014.

LATOUR, Bruno. A ecologia política sem a natureza? Trad. Maria Thereza Sampaio. Projeto História – Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História São Paulo, n. 23, nov. 2001. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/viewFile/10667/7928>. Acesso em: 18 jul. 2014.

NOGUEIRA, Silvia e PIRES, Flávia. Antropologia Pós-Social, perspectivas e dilemas contemporâneos: entrevista com Marcio Goldman. Campos – Revista de Antropologia Social, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Paraná, v. 13, n. 1, p. 93-108, 2012.

SOUZA, Iara Maria de Almeida. A noção de ontologia múltipla e suas consequências políticas. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 36, 2012, Águas de Lindóia - São Paulo. Disponível em: <http://portal.anpocs.org/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=8114&Itemid=217>. Acesso em: 18 jul. 2014.

STENGERS, Isabelle. La proposition cosmopolitique. In: LOLIVE, Jacques ; SOUBEYRAN, Olivier. L´émergence des cosmopolitiques. Paris: Éditions La Découverte, 2007.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. “Transformação” na antropologia, transformação da “antropologia”. Mana – Estudos de Antropologia Social, v. 18, n. 1, Rio de Janeiro, abr. 2012.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 1. Sócio biodiversidade e Território.