As Estratégias de Sobrevivência e Ações Organizativas das Integrantes de uma Associação de Mulheres Agricultoras, em Transição Agroecológica, no Semiárido Sergipano

Autores

  • Janice Rodrigues Placeres Borges PPGADR/UFSCAR
  • Tatiana Frei Bhiel Brandão UFAL

Resumo

Este artigo teve o objetivo de “conhecer antropologicamente” e descrever as estratégias de sobrevivência e as ações realizadas para a construção papeis sociais das integrantes da Associação de Mulheres ‘Resgatando sua História’, localizada no povoado de Lagoa da Volta, semiárido sergipano. Metodologicamente, optou-se pelo método etnográfico, devido ao fato do mesmo responder a uma demanda científica de produção de dados de conhecimento antropológico a partir de uma inter-relação entre pesquisador e o(s) sujeito(s) pesquisado(s) que interagem no contexto recorrendo, primordialmente, às técnicas de pesquisa específicas. Assim sendo, durante as visitas ao povoado e à Associação, foram realizadas observação direta, anotações no diário de campo, conversas informais e formais e entrevistas não-diretivas com as integrantes da Associação. Os resultados apontam para a transição agroecológica como uma estratégia de desenvolvimento local, via a Associação de mulheres. Assim como, constatou-se que, por meio das falas das mulheres que, após a inserção das mesmas na Associação, ocorreu “a melhora do bem-estar”, uma vez que notam as transformações que imprimem no cotidiano familiar e falam da “satisfação” e “auto estima alta” devido a alteração da posição social na comunidade e seu novo papel na família ao contribuírem para a segurança alimentar e renda familiar com a venda do que produzem num circuito próximo de comercialização.

Biografia do Autor

Janice Rodrigues Placeres Borges, PPGADR/UFSCAR

DTAISER/CCA/UFSCAR

Tatiana Frei Bhiel Brandão, UFAL

CAMPUS DO SERTÃO UFAL PPGADR/UFSCAR

Referências

ALTIERI, Miguel. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. 4 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

BARBOSA, L. C. B. G. A comercialização de produtos orgânicos como alternativa para a geração de sustentabilidade aos agricultores familiares. 2007. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió/AL.

DURANT, L. La relación ambiente cultura em Antropologia: recuentro y perpectivas. MéxicoNueva Antropologia, sep. 2002, Vol. XVIII, No. 61, p. 169-184.

FARIA, Nalu; NOBRE, Mirian (org.). A Produção do Viver: ensaios de economista feminista. São Paulo: SOF, 104p. (Coleção Cadernos Sempreviva. Série Gênero, Políticas Públicas e Cidadania, 7), 2003.

GUZMÁN, Eduardo Sevilla. Uma estratégia de sustentabilidade a partir da Agroecologia. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v.2, n.1, jan./mar. 2001, p. 35-45.

ROCHA, A. L.C. da; ECKERT, C. Etnografia: Saberes e práticas. In Pinto, R. ; Guazzelli, C. (Orgs.) Ciências Humanas: pesquisa e método. Porto Alegre: Editora da Universidade, 2008.

SCHAAF, Alie van der. Jeito de Mulher Rural: a busca de direitos sociais e da igualdade de gênero no Rio Grande do Sul. Passo Fundo: UPF, 2001.

SEN, Amartya Kumar. Desenvolvimento como liberdade. Tradução Laura Teixeira Motta; revisão técnica Ricardo Doniselli Mendes. - São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Downloads

Publicado

2016-05-16

Edição

Seção

IX CBA 4. Gênero e Agroecologia.