Análise do Ecossistema Caatinga Nativa no Município de Aparecida no Vale do Piranha Paraibano

Autores

  • Micaela Benigna Pereira Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Campi III (Bananeiras-PB), Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias (Agroecologia).
  • Geoge Wagner Nobrega da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Campus Sousa Cursando Tecnologia em Alimentos
  • Maiana da Silva Barbosa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Campus Sousa Cursando Tecnologia em Alimentos
  • Tarciso Botelho Pereira Filho Universidade Federal da Paraíba (UFPB) / Programa de Pós-Graduação do Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias (CCHSA) Agrônomo pela UFPB Campus II, Mestrando em Agroecologia pela UFPB Campus III.
  • Aylson Jackson Araújo Dantas Universidade Federal da Paraíba (UFPB) / Programa de Pós-Graduação do Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias (CCHSA) Agrônomo pela UFPB Campus II, Mestrando em Agroecologia pela UFPB Campus III.

Resumo

A Caatinga é um mosaico de arbustos espinhosos e florestas sazonalmente secas, bioma exclusivamente brasileiro, o qual possui características e espécies vegetais e animais únicas. Embora possua características tão marcantes, a caatinga está entre os biomas que mais sofrem com a interferência humana. E diante de sua importância ressaltasse que estudos de levantamentos de espécies vegetais e animais, nessa região se faz importante para a preservação e manutenção desse bioma. Objetivou-se com o desenvolvimento desse trabalho fazer uma análise do ecossistema caatinga nativa em processo de recuperação na comunidade de Riachão no município de Aparecida-PB. Na área estudada foram demarcadas quatro subáreas ao acaso, de 100 m². Em cada parcela foi realizado o levantamento e análise da flora existente. Foi utilizado para analisar os dados do levantamento das espécies o índice de diversidade Shannon-Wiener. Na área estudada, foi registrada a presença de 40 diferentes espécies vegetais nativas. As quatro subáreas possui vegetação densa e diversificada, devido ao processo de conservação natural sem interferência antrópica, apresentando-se como sistema em processo de sucessão equilibrada.

Biografia do Autor

Micaela Benigna Pereira, Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Campi III (Bananeiras-PB), Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias (Agroecologia).

Tecnóloga em Agroecologia pelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba, Campi Sousa-PB. Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias (Agroecologia) pela Universidade Federal da Paraíba, Campi III (Bananeiras-PB).

Referências

AB’SABER, A.N. 1977. Espaços ocupados pela expansão dos climas secos na América do Sul, por ocasião dos períodos glaciais quaternários. Paleoclimas (Instituto de Geografia, Universidade de São Paulo) 3: 1-19.

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. 3.ed. São Paulo. Rio de Janeiro: Expressão Popular, AS-PTA, 2012, 400 p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a ação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente e Universidade Federeal de Pernambuco. 2004. 36p.

DNOCS. Departamento Nacional de Obras Contra as Secas. 2013. Disponível em:<http://www.dnocs.gov.br>. Acesso em: 28 de abril de 2015.

IBGE. Mapa de Vegetação do Brasil. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=169>. Acesso em: 28 de abril de 2015.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 2006.

LEAL, I. R.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. Ecologia e conservação da Caatinga. Recife – PE: Editora Universitária. Universidade Federal de Pernambuco, 2003. 804 p.

SILVA, J.M.C., M. TABARELLI, M.T. FONSECA & L.V. LINS (orgs.). 2004. Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. Ministério do Meio Ambiente, Brasília.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 1. Sócio biodiversidade e Território.