Agricultura urbana e segurança alimentar: estudo de caso da horta comunitária da COHAB em Lavras/MG

Autores

  • Heliene Macedo Araujo
  • Thiago Rodrigo de Paula Assis UFLA/docente
  • Ana Paula Borges Martins UFSJ/graduanda em agronomia

Resumo

A produção e o acesso à alimentos é condição sine qua non para a garantia da segurança alimentar e nutricional(SAN). Segundo dados do Censo Agropecurário de 2006, a agricultura familiar é responsável pela produção de cerca de 70% de todo alimento consumido no país. Contudo, a maior parte da população (85%) encontra-se no meio urbano e não vinculado à produção de alimentos. Nesse sentido, ao existir experiências produtivas no meio urbano, os agricultores urbanos seriam, ao lado dos camponeses, mais uma força de ação na produção de alimentos, contribuindo na promoção da SAN. O presente trabalho teve como objetivo identificar a potencialidade da agricultura urbana (AU) na promoção da SAN com base na experiência da Associação dos Produtores de Hortaliças da Cohab de Lavras/MG e visou identificar o perfil dos agricultores urbanos da horta e perceber a influência da agricultura urbana para a alimentação e segurança alimentar das famílias dos agricultores urbanos. Utilizaram-se como metodologia de pesquisa, a abordagem qualitativa e o estudo de caso. Os dados foram coletados através de entrevistas utilizando questionários semiestruturados com 13 (48%) dos 27 integrantes da Associação. A partir dos dados, identificou-se que todos os entrevistados possuem vínculo dos antepassados com o campo e o ato do cultivo foi aprendido e passado de geração à geração. O acesso à alimentação é garantido de maneira constante, tanto para as famílias quanto para os moradores do bairro, por três vias: comercialização, produção para autoconsumo e doação. Todos os entrevistados participam dessas três vias, contudo 2 objetivam o mercado e 11 ao autoconsumo. Além disso, a produção foi inventariada resultando em 58 produtos (hortaliças, legumes, grãos, frutíferas e plantas medicinais), diversificando o consumo de alimentos que estão em consonância com os hábitos alimentares locais. A partir da análise dos dados, ficou evidente o vínculo da AU com a promoção da SAN e melhoria da alimentação das famílias.

Biografia do Autor

Heliene Macedo Araujo

Engenheira Florestal (UFLA,2014), mestranda em agroecologia e desenvolvimento rural (UFSCAR, 2015)

Referências

IBGE. Sinopse do Censo Demográfico 2010. Disponível em: <http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=9&uf=00>. Acesso em: 02 dez. 2013.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Agricultura Familiar e o Censo Agropecuário 2006. 2009. Disponível em: <http://sistemas.mda.gov.br/arquivos/2246122356.pdf acessado em 02.12.13>. Acesso em: 02 dez. 2013.

LUDKE, M; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação - abordagens qualitativas. São Paulo: EPU. 1986.

MAZOYER, M; ROUDART, L. História das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea; [tradução de Cláudia F. Falluh Balduino Ferreira]. – São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: NEAD, 2010. 568p

VAN DER PLOEG, D. J. Sete teses sobre a agricultura camponesa. In: PETERSEN, P. (org) Agricultura familiar camponesa na construção do futuro. Rio de Janeiro: AS-PTA, p. 17 – 32. 2009

Downloads

Publicado

2016-05-16

Edição

Seção

IX CBA 5. Construção do Conhecimento Agroecológico