Interface de saberes e práticas extrativistas: o caso do Murumuru (Astrocaryum murumuru) no Baixo Tocantins

Autores

  • Kelly Gaia Universidade Federal do Pará
  • Aquiles Simões Universidade Federal do Pará

Resumo

Este artigo objetiva demonstrar como os saberes locais interagem com os saberes especializados na apropriação de um recurso natural: as sementes do murumuru (Astrocaryum murumuru). Com base no conceito de interface social e no método estudo de caso foram estudadas duas comunidades rurais do território do Baixo Tocantins. Os resultados indicam que a interação de saberes em torno da coleta das sementas valorizou a participação das mulheres na composição da renda familiar, sobretudo no período de entressafras das produções agrícolas dominantes. O extrativismo do murumuru assume então importante papel na organização do trabalho familiar no sistema produtivo local.

Biografia do Autor

Kelly Gaia, Universidade Federal do Pará

Mestranda em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável do Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas - UFPA/NCADR/Embrapa Cientista Social, com ênfase em Sociologia, pela Universidade Federal do Pará.

Aquiles Simões, Universidade Federal do Pará

Dr. em Ciências Sociais. Professor da Universidade Federal do Pará - NCADR/PPGAA/GEDAF

Referências

BECKER, H. Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Hucitec, 1999.

BRANDÃO, C. R (Org). Repensando a Pesquisa Participante. 3 ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

LONG, N. (ed.) Encounters at the interface. A perspective in social discontinuities in rural development. Wageningen Studies in Sociology 27. Wageningen: Agricultural University, 1989

MOTA, D.; SILVA JUNIOR, J. F.; SCHMITZ, H; et al. A mangabeira, as catadoras, o extrativismo. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental; Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2011

Downloads

Publicado

2016-05-16

Edição

Seção

IX CBA 5. Construção do Conhecimento Agroecológico