Utilização do diagnóstico rápido participativo como ferramenta de educação ambiental em comunidades rurais.

Autores

  • Karla Conceição Pereira SAA APTA Polo Regional Vale do Paraíba
  • Adriana Sacioto Marcantonio SAA/APTA PRDTA PIndamonhangaba
  • Francisco Nelson Mascarenhas e Silva SAA/CATI
  • Jorge Luiz Monterio SABESP

Resumo

O presente trabalho ressalta a importância do diagnóstico rápido participativo para retratar como uma comunidade ou um grupo procura entender as principais características sociais, econômicas e ambientais da realidade na qual vive. O objetivo desse trabalho é apresentar o resultado do diagnóstico, utilizando a educação ambiental como ferramenta para identificar, planejar e desenvolver ações que envolvam o meio ambiente e a sociedade em comunidades rurais. O bairro do Borba localizado na zona rural de Pindamonhangaba-SP, é composto por 26 famílias, não possui estabelecimentos comerciais, postos de saúde e escolas. E 100% citam a poluição do rio (Ribeirão do Borba) como um problema do local onde vivem. A qualidade da água foi o principal desafio apontado, com notável destaque ainda para a poluição, o desmatamento, o abastecimento de água e o lixo. Assim a educação ambiental contribui para abrir espaços de diálogo entre os grupos que vivenciam de modo diferente a mesma problemática e ainda dirimir os conflitos existentes.

Biografia do Autor

Karla Conceição Pereira, SAA APTA Polo Regional Vale do Paraíba

Agrônoma, Doutora em Ecologia e Recursos Naturais, Pesquisador Científico na área de Geociências com ênfase em adequação ambiental de propriedades rurais.

Adriana Sacioto Marcantonio, SAA/APTA PRDTA PIndamonhangaba

Zootecnista, Pesquisador Científico

Francisco Nelson Mascarenhas e Silva, SAA/CATI

Eng. Agrônomo, extensionista.

Jorge Luiz Monterio, SABESP

Engenheiro Departamento De Gestão E Desenvolvimento Operacional Do Vale Do Paraíba - RVO

Referências

ABDON,M.M. (Orgs). A Bacia Hidrográfica do Rio Monjolinho. Rima. São Carlos, 2000.

FARIAS, R.A. Diagnóstico Social, Econômico e Ambiental e Planejamento Participativo. Comunidades de Nova Esperança, Santa Clara e Novo Horizonte - PA Nova Cotriguaçu. Instituto Centro de Vida – ICV. Alta Floresta, Julho de 2012. 58p. Disponível em : www.icv.org.br

ORTIZ,M.; POMPÉIA,S. Diagnóstico e caracterização por percepção de bacias hidrográficas: Programa Mãos à Obra pelo Tietê. 2010. 91p.

ROCHA,O.; PIRES,J.S.R.; SANTOS,J.E. A Bacia Hidrográfica como unidade de estudo e planejamento. Cap.1:1-16, In: ESPÍNDOLA,E.L.G.; SILVA,J.S.V.; MARINELLI,C.E.;

SCHIAVETTI,A.; CAMARGO,A.F.M. Conceitos de bacias hidrográficas: teorias e aplicações. Editus, 2002, 293p.

Downloads

Publicado

2016-05-16

Edição

Seção

IX CBA 5. Construção do Conhecimento Agroecológico