Etnoecologia do manejo de sistemas agroflorestais na Zona da Mata Rondoniense.

Autores

  • Wanderson Cleiton Schmidt Cavalheiro Universidade Federal de Rondônia, Campus de Rolim de Moura, Departamento de Engenharia Florestal.
  • Emanuel Fernando Maio de Souza Universidade Federal de Rondônia, Campus de Rolim de Moura, Departamento de Engenharia Florestal.
  • André de Paulo Evaristo Universidade Federal de Rondônia, Campus de Rolim de Moura, Departamento de Engenharia Florestal.
  • Anna Frida Hatsue Modro Universidade Federal de Rondônia, Campus de Rolim de Moura, Departamento de Engenharia Florestal.
  • João Fidelis Brito Junior Universidade Federal de Rondônia, Campus de Rolim de Moura, Departamento de Engenharia Florestal.

Resumo

As agroflorestas na Amazônia são manejadas tradicionalmente pelos agricultores e normalmente apresentam-se muito diversificados, mesmo quando apresentam uma espécie de cultivo comercial. Deste modo, objetivou-se neste trabalho conhecer aspectos etnoecológicos do manejo de dois sistemas agroflorestais (SAF) da Zona da Mata Rondoniense. Para o estudo foram utilizadas abordagens participativas. Os sistemas são compostos por espécies frutíferas e essências florestais, sendo o cupuaçuzeiro, o paricá e a castanha-do-Brasil as espécies mais utilizadas na composição dos agroecossistemas. Os SAF são constituídos e manejados de forma tradicional e as atividades executadas manualmente. O aumento da produção e processamento dos produtos é indicado como fonte de aspirações pelo agricultor. Foram apresentados como indicadores para implantação do SAF a garantia da segurança alimentar e conservação do meio ambiente.

Biografia do Autor

Wanderson Cleiton Schmidt Cavalheiro, Universidade Federal de Rondônia, Campus de Rolim de Moura, Departamento de Engenharia Florestal.

Acadêmico do 10° período de Curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Rondônia Campus de Rolim de Moura.

Referências

BRIENZA JÚNIOR, S. et al. Análise econômica de sistemas agroflorestais via uso de equações diferenciais. Pesquisa Florestal Brasileira, n.60, p.67–76, 2009.

FERREIRA, D. C. et al. Sistemas agroflorestais comerciais em áreas de agricultores familiares no município de Altamira, Pará. Revista Brasileira de Agroecologia, v.9, n.3, 2015.

JERNECK, A.; OLSSON, L. More than trees! Understanding the agroforestry adoption gap in subsistence agriculture: Insights from narrative walks in Kenya. Journal of Rural Studies, v.32, p.114-125, 2013.

RONDÔNIA. Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (SEDAM).Boletim Climatológico de Rondônia, ano 2008. SEDAM, Porto Velho, 2010. 36 p.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 1. Sócio biodiversidade e Território.