Como a juventude atua na Agroecologia? A contribuição dos jovens no Estado de São Paulo.

Autores

  • José Eduardo Oliveira Universidade Federal de São Carlos - Araras
  • Kessy Rizental Silva Universidade Federal de São Carlos - Araras
  • Lucimara Marcelino Universidade Federal de São Carlos - Araras
  • Caio Yamazaki Saravalle Universidade Federal de São Carlos - Araras

Resumo

A juventude representa um importante grupo de atuação na Agroecologia, ora por serem os futuros líderes de comunidades atuando nas tomadas de decisão, ora por representarem agentes de intercâmbio do conhecimento acerca da Agroecologia. A pesquisa avaliou a atuação dos jovens no contexto agroecológico do Estado de São Paulo. Foram aplicadas entrevistas semiestruturadas com jovens de 15 a 29 anos, a fim de se abordar questões sobre a percepção destes jovens sobre seu papel frente à Agroecologia. Constatou-se que a atuação dos jovens paulistas na Agroecologia mostra-se heterogênea, tendo como protagonistas jovens universitários, camponeses e extensionistas rurais. Esta atuação configura-se por meio de entidades tanto públicas quanto privadas, onde estes jovens participam dos processos que promovem a Agroecologia no Estado, muitas vezes atuando através de mais de uma via, articulando-se por meio do intercâmbio de conhecimentos difundido pelos preceitos da Agroecologia.

Biografia do Autor

José Eduardo Oliveira, Universidade Federal de São Carlos - Araras

Programa de Pós Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural

Kessy Rizental Silva, Universidade Federal de São Carlos - Araras

Programa de Pós Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural

Lucimara Marcelino, Universidade Federal de São Carlos - Araras

Programa de Pós Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural

Caio Yamazaki Saravalle, Universidade Federal de São Carlos - Araras

Programa de Pós Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural - Novas Ruralidades

Referências

BRASIL. Projeto de Lei n. 4530. Plano Nacional de Juventude. Disponível em: <http://www2.camara.gov.br/internet/eve/realizados/juventude/projetolei.pdf>. Acesso em: 23 nov 2014.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e extensão rural: contribuições para a promoção do desenvolvimento rural sustentável. Brasília: MDA/SAF/DATER-IICA, 2004.

CASTRO, E. G.; MARTINS, M.; ALMEIDA, S. L. F.; RODRIGUES, M. E. B.; CARVALHO, J. G .Os jovens estão indo embora? Juventude Rural e a construção de um ator político. Rio de Janeiro: EDUR, 2009.

LEFF, E. Agroecologia e saber ambiental. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 3, n. 1, jan/mar 2002.

SEVILLA GUZMÁN, E. Redescubriendo a Chayanov: hacia um neopopulismo ecológico. Agricultura y Sociedad, n. 55, p. 201-237, 1990.

SILVEIRA, P. R. C.; BALEM, T. A. Formação profissional e extensão rural: a incapacidade da superação do modelo agrícola. In: ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO, 4., 2004, Aracaju. Anais eletrônicos. Disponível em: < http://coral.ufsm.br/desenvolvimentorural/textos/sistemas%20de%20producao%202004%205.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2015

VERDEJO, M. E. Diagnóstico Rural Participativo – Guia prático DRP. Brasília: SAF/MDA, 2006.

Downloads

Publicado

2016-05-16

Edição

Seção

IX CBA 4. Gênero e Agroecologia.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)