Uso de recursos naturais não madeireiros na reserva extrativista Lago do Capanã Grande - Manicoré/ AM

Autores

  • LUCIANO FERREIRA PAES Universidade Federal do Amazonas - UFAM
  • Isís Ribeiro Nascimento Universidade Federal do Amazonas - UFAM
  • Jéssica Cristian Santos Universidade Federal do Amazonas - UFAM
  • Francimara Souza Costa Universidade Federal do Amazonas - UFAM
  • Ana Claudia Fernandes Nogueira Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Resumo

As populações tradicionais que residem nas áreas de preservação extraem produtos oferecidos pela natureza para complemento da renda familiar. O presente estudo teve como objetivo avaliar o uso dos recursos naturais não madeireiros na Comunidade Ponta do Campo inserida na Reserva Extrativista Lago do Capanã Grande (RESEX), município de Manicoré - AM. Esta comunidade é constituída por 42 famílias, das quais 23 utilizam os recursos florestais não madeireiros como fonte de renda, e com isso foram selecionadas para a aplicação de questionários. Os dados obtidos mostraram que as populações tradicionais que habitam a área de estudo fazem a gestão dos recursos naturais de forma intencional e não intencional, em especial da castanha do Brasil (Bertholletia excelsa) que é um dos principais recursos utilizados com finalidade de obtenção de renda.

Biografia do Autor

LUCIANO FERREIRA PAES, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Graduado em Engenharia Ambiental, pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM, Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente - IEAA, Campus Vale do Rio Madeira - CVRM, atuando no Núcleo de Pesquisa e Extensão em Ambiente, Socioeconomia e Agroecologia - NUPEAS.

Isís Ribeiro Nascimento, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Graduanda em Engenharia Ambiental, pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM, Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente - IEAA, Campus Vale do Rio Madeira - CVRM, atuando no Núcleo de Pesquisa e Extensão em Ambiente, Socioeconomia e Agroecologia - NUPEAS.

Jéssica Cristian Santos, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Graduanda em Engenharia Agronômica, pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM, Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente - IEAA, Campus Vale do Rio Madeira - CVRM, atuando no Núcleo de Pesquisa e Extensão em Ambiente, Socioeconomia e Agroecologia - NUPEAS.

Francimara Souza Costa, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Doutora em Ciências Socioambientais pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (Universidade Federal do Pará). Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Amazonas; Mestrado em Aquicultura em Águas Continentais pela Universidade Estadual Paulista. Especialização em Políticas governamentais, desenvolvimento sustentável e comunidades tradicionais na Amazônia pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA. É professora adjunta da Universidade Federal do Amazonas, desenvolvendo atividades de ensino, pesquisa e extensão nas áreas de agroecologia, agricultura familiar e desenvolvimento socioambiental.

Ana Claudia Fernandes Nogueira, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Possui Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Amazonas (2004), Especialização em Antropologia da Saúde pelo Centro de Pesquisas Leônidas e Maria Deane - Fiocruz Amazônia e Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, na área de Política de Gestão Ambiental pela Universidade Federal do Amazonas. Tem experiência na área de Sociologia, Antropologia e Ciências do Ambiente, com ênfase em Sociologia Rural e Meio Ambiente, atuando nos seguintes temas: meio ambiente, assentamentos rurais, conflitos rurais, política pública e cultura . É professora Assistente da Universidade Federal do Amazonas no Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente - IEAA, Campus do Vale do Madeira e membro do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Ambiente, Socioeconomia e Agroecologia - NUPEAS, no IEAA. Atualmente é aluna no Programa de Pós-Graduação em Sociologia, pela UFGRS, em nível de Doutorado.

Referências

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Apostila. Fortaleza: UEC, 2002.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. – São Paulo: Atlas, 2002.

LEFF, E. Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 4ª ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

NUNES, F.S.M; SOARES FILHO, B.S; RODRIGUES, H. Valorando a florestas em pé: A rentabilidade da castanha do Brasil no Acre. IX ENCONTRO NACIONAL DA ECOECO, Brasília –DF,Outubro de 2011.

PINTO, A.; AMARAL, P.; GAIA, C.; OLIVEIRA, W. de. Boas Práticas para Manejo Florestal e Agroindustrial Produtos Florestais Não Madeireiros: Açaí, Andiroba, Babaçu, Castanha-do-Brasil, Copaíba e Unha-de-gato. 2010.

RIBEIRO, M. B. N. Ecologia, manejo e sustentabilidade da exploração da castanha-da-Amazônia (Bertholletia excelsa) pelos índios Kayapó, sudeste da Amazônia. Tese (doutorado). INPA, Manaus: 2011.

SCOLES, R. Ecologia e extrativismo da castanheira (Bertholletia excelsa, Lecythidaceae) em duas regiões da Amazônia brasileira. 2010. xv, 193 f. Tese (doutorado): Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Manaus, 2010.

VALLEJO, L. R. Unidades de conservação: uma discussão teórica à luz dos conceitos de território e de políticas públicas. Universidade Federal Fluminense, 2003.

TONINI, H.; COSTA, P. da; KAMINSKI, P. E. Estrutura e produção de duas populações nativas de Castanheira-do-Brasil (Bertholletia excelsa O. Berg) em Roraima. Floresta, Curitiba, PR, v. 38, n. 3, jul./set. 2008

Downloads

Publicado

2016-05-17

Edição

Seção

IX CBA 8. Biodiversidade e Bens Comuns.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>