Relações de gênero e a prática do extrativismo animal (caça) na Reserva Extrativista Rio Xingu, Terra do Meio, Pará

Autores

  • Roberta Rowsy Amorim de Castro Universidade Federal do Pará http://orcid.org/0000-0003-3149-3170
  • Myriam Cyntia Cesar de Oliveira Universidade Federal do Pará

Palavras-chave:

Relações de gênero, Comunidades Tradicionais, Extrativismo Animal

Resumo

Este texto tem como objetivo descrever e analisar as relações de gênero na prática do extrativismo animal (caça) na Reserva Extrativista Rio Xingu, no estado do Pará. Foram utilizadas várias técnicas de coleta de informações, como entrevistas semiestruturadas, a partir de roteiro pré-elaborado, observação direta e participante das atividades cotidianas realizadas pelas famílias da unidade de conservação e conversas informais obtidas a partir da vivência com as mesmas. No cenário estudado foi verificado que tanto mulheres como homens realizam a atividade da caça e outras atividades de subsistência, porém, socialmente, o trabalho da mulher é visto como ajuda enquanto o homem é o provedor do lar, isto é, aquele responsável pelo trabalho fora da casa e o provimento da família.

Biografia do Autor

Roberta Rowsy Amorim de Castro, Universidade Federal do Pará

Mestre em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável pelo Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas (PPGAA); Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural (NCADR). Universidade Federal do Pará (UFPA)

Myriam Cyntia Cesar de Oliveira, Universidade Federal do Pará

Doutora em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora-pesquisadora do Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural (NCADR) da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Referências

BARTALOTTI, C. C. et al. O. Concepções de profissionais de educação e saúde sobre Educação Inclusiva: reflexões para uma prática transformadora. O mundo da saúde, São Paulo, v.2, n.32, p. 124-130, abr./jun. 2008.

CASTRO, E. Território, biodiversidade e saberes de populações tradicionais. In: CASTRO, E.; PINTON, F. (Org.). Faces do trópico úmido: conceitos e questões sobre desenvolvimento e meio ambiente. Belém: Cejup: UFPA-NAEA, 1997. p. 221-242.

CASTRO, R. R. A. Comunidades tradicionais e Unidades de Conservação no Pará: a influência da criação da Reserva Extrativista Rio Xingu – Terra do Meio, nos modos de vida das famílias locais. 2013. 167 f. Dissertação (Mestrado em Agriculturas familiares e desenvolvimento sustentável). Universidade Federal do Pará, Belém, 2013

DIEGUES, A. C.; NOGARA, P. J. O nosso lugar virou parque: estudo sócio-ambiental do Saco do Mamaguá-Parati-Rio de Janeiro. São Paulo: NUPAUB/USP, 1994. 187p.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2003. 164 p. (Biblioteca da educação. Série 1. Escola; v. 16).

HAGUETE, T. M. F. Metodologias qualitativas na Sociologia. 10ª. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

HEREDIA, B. M. A. A morada da vida: trabalho familiar de pequenos produtores do Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. 164p.

MARTINS, J. B. Observação participante: uma abordagem metodológica para a psicologia escolar. Semina: Ciências Sociais/Humanas, Londrina, v. 17, n. 3, p. 266-273, set.1996.

NODA, S. N. et al. O trabalho nos sistemas de produção de agriculturas familiares na várzea no Estado do Amazonas. In: NODA, H.; SOUZA, L.A.G.; FONSECA, O. J. M. (Orgs.). Duas décadas de contribuições do INPA à Pesquisa Agronômica no Trópico Úmido. Manaus: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e Ministério da Ciência e Tecnologia, 1997. p. 241-280.

PEZZUTI, J. C. B. et al. A caça e a pesca no Parque Nacional do Jaú, Amazonas. In: BORGES, S.H. et al. (Ed.). Janelas para a Biodiversidade no Parque Nacional do Jaú. Manaus: Fundação Vitória amazônica, 2004. p. 213-230.

WOORTMANN, E. F; WOORTMANN, K. O trabalho da terra: a lógica e a simbólica da lavoura camponesa. Brasilía: Editora UNB, 1997. 192p.

Downloads

Publicado

2016-05-16

Edição

Seção

IX CBA 4. Gênero e Agroecologia.