Isoporização em cará-de-espinho (Dioscorea altissima Lam.)

Autores

  • Eleano Rodrigues Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas
  • Domingos Rodrigues Barros Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas
  • Valdely Ferreira Kinupp Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas
  • Sonia Sena Alfaia Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia
  • Marta Iria costa Ayres Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia
  • Artur Bicelli Coimbra NA FLORESTA

Resumo

Os povos tradicionais da Amazônia ainda têm na mandioca sua principal fonte de alimentos energéticos, tornando-a um dos principais cultivos da agricultura familiar no Estado do Amazonas. Todavia, além de ser de alta perecibilidade, a mandioca apresenta baixa produção. No entanto, em experimentos com o cará-de-espinho (Dioscorea altissima Lam.), realizados em Manaus – AM, conseguiu-se produtividade de 40 kg a 101 kg/cova/18 meses, com média de 60 kg por cova. Assim, o cultivo de cará-de-espinho apresenta relevante potencial para contribuir com a produção de alimentos para os produtores e suas criações. A produção de rizóforos aumenta com o passar do tempo. Porém, percebeu-se que a partir dos 18 meses, entre os meses de novembro a junho os rizóforos apresentam isoporização (chochamento), reduzindo de 70 a 80 % de seu peso, inviabilizando-os para o consumo num período significativo de tempo.

Biografia do Autor

Eleano Rodrigues Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas

Departamento de Produção

Domingos Rodrigues Barros, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas

Departamento de Produção

Valdely Ferreira Kinupp, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas

Curador do Herbário EAFM

Sonia Sena Alfaia, Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia

Pesquisadora / Agronomia

Marta Iria costa Ayres, Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia

Bolsista / Pesquisadora

Artur Bicelli Coimbra, NA FLORESTA

Sócio Proprietário / Pesquisador

Referências

ALENCAR, F. H.; YUYAMA, L. K. O.; VAREJÃO, M. J. C.; MARINHO, H. A. Determinantes e consequências da insegurança alimentar no Amazonas: a influência dos ecossistemas. ACTA AMAZONICA, vol. 37(3): 413 – 418. 2007.

ARAÚJO, T. S. Desnutrição infantil em Jordão, Estado do Acre, Amazônia Ocidental brasileira. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública. FSP / USP – SP. 2010.

DIAS, Miguel C.; XAVIER, J. J. B. N.; BARRETO, J. F.; PAMPLONA, A. M. S. R. Recomendações técnicas do cultivo de mandioca para o Amazonas. Circular Técnica 23. Embrapa Amazônia Ocidental. Manaus – AM. 2004.

GROXKO, Methodio. Análise da conjuntura agropecuária - safra 2011/12 – mandiocultura. 2011. Disponível em: <http://www.agricultura.pr.gov.br/arquivos/File/deral/mandiocultura_2011_12.pdf>. Acesso em: 06 de abr. 2015.

KINUPP, V. F.; LORENZI, H. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. São Paulo – SP, Brasil. Instituto Plantarum de Estudos da Flora. 2014.

SILVA, E. R.; OLIVEIRA, L. A.; KINUPP, V. F.; ALFAIA, S. S.; AYRES, M. I. C.; BARROS, D.R. Avaliação preliminar do cultivo de Dioscorea altissima Lam. Cadernos de Agroecologia. Vol 8, No. 2, Nov 2013.

VIANA, E. S.; OLIVEIRA, L. A.; SILVA, J. Processamento mínimo de mandioca. Circular Técnica 95. Embrapa Mandioca e Fruticultura. Cruz das Almas – BA. 2011.

Downloads

Publicado

2016-05-18

Edição

Seção

IX CBA-Agroecologia / Relatos de Experiências

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)