Acúmulo de matéria orgânica em fragmentos de capoeiras com diferentes tempos de pousio

Autores

  • Ariadne Enes Rocha Universidade Estadual do Maranhão-UEMA
  • Leonaldo Alves de ANDRADE Universidade Federal da Paraíba
  • Jacob Silva SOUTO Unidade Acadêmica de Engenharia Florestal,Campus Da UFCG Patos-PB,
  • Walter Pereira ESFRAIN Universidade Federal da Paraíba

Resumo

O sistema produtivo itinerante utilizado pelos agricultores tradicionais em regiões de florestas tropicais depende diretamente da fertilidade natural do solo e da capacidade de reposição de nutrientes pela vegetação durante a regeneração da mesma. Este estudo teve como objetivo mensurar o volume da serapilheira estoque em tempos de pousio distintos. A pesquisa proposta foi executada no povoado Cajazal no Projeto de Assentamento São João do Rosário, Rosário-MA. O estudo teve início com a seleção de 45 unidades amostrais em áreas de vegetação secundária conservadas a três, quatro, cinco, seis, sete, oito, 20, 25 e 46 anos, em dois históricos de uso, denominados: 1) São Miguel, em solos Argissolo Vermelho-Amarelo e 2) Janeiro, em Plintossolo. Para a determinação da serapilheira estoque foram coletadas cinco amostras em cada uma das 45 unidades amostrais, com molde vazado de madeira de 0,5 m x 0,5 m, que foi posteriormente seca e pesada. Os volumes de matéria seca da serapilheira estoque total coletados nos tempos de pousios propostos, em ambos os históricos de uso de São Miguel e Janeiro, aumentaram com o aumento do tempo de pousio. As condições climáticas entre as épocas de coleta e São Miguel podem ter determinado a diferenciação dos volumes de serapilheira nas áreas de São Miguel, com valor médio de 3,9 t.ha-1, e Janeiro, com 6,2 t.ha-1. As informações geradas nesse estudo podem nortear práticas de manejo em áreas de capoeiras.

Biografia do Autor

Ariadne Enes Rocha, Universidade Estadual do Maranhão-UEMA

Possui doutorado em Agronomia, com área de concentração em Ecologia e Meio Ambiente pela Universidade Federal da Paraíba (2011), graduação no Programa Especial de Formação Pedagógica de Docente pela Universidade Estadual do Maranhão (2004), mestrado em Agroecossistemas pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001) e graduação em Agronomia pela Universidade Estadual do Maranhão (1999). Atualmente é professora Adjunto I do Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Estadual do Maranhão. Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Silvicultura, atuando principalmente nos seguintes temas: agricultura familiar, mata ciliar, educação ambiental, composição florística, fitossociologia, ciclagem de nutrientes, indicadores de qualidade do ambiente, recuperação de áreas degradadas e produção de mudas de espécies florestais nativas. Coordenadora da Especialização em Educação do Campo desde 2014, modalidade EAD, UEMA.

Referências

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. Brasília: Embrapa Solos/Embrapa Informática Agropecuária/Embrapa Comunicação para Transferência de Tecnologia, 1999. 370p.

NUNES, F.P.; PINTO, M. T. C. Produção de serapilheira em mata ciliar nativa e reflorestada no alto São Francisco, Minas Gerais. Biota Neotropica, Campinas, v. 7, n. 3, p. 097-102, 2007.

WERNECK, M. S.; PEDRALLI, G.; GIESEKE, L. F. Produção de serrapilheira em três trechos de uma floresta semidecidual com diferentes graus de perturbação na Estação Ecológica de Tripuí, Ouro Preto, MG. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 195-198, 2001.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 3. Sistemas de Produção Agroecológica.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)