O cacau na transamazônica: experiência de diversificação produtiva nos assentamentos da Reforma Agrária e o papel da ATES no fortalecimento da produção de base agroecológica

Autores

Resumo

A produção cacaueira encontrada nos assentamentos da Reforma Agrária do território Transamazônica foi identificada pelo INCRA, técnicos extensionistas e famílias assentadas, como potencial para fomentar a diversificação produtiva nas Unidades de Produção Familiar - UPF e frear o processo de simplificação dos agroecossistemas. A experiência relatada evidencia os processos de qualificação da política pública de ATER (PNATER) nos assentamentos a partir da identificação de potencialidades locais, como a produção cacaueira. Com o trabalho foi perceptível que a ação articulada entre poder público, prestadora de serviço de ATES e assentados da reforma agrária, além de fomentar a construção de sistemas produtivos mais biodiversos, abre espaço para que o enfoque agroecológico seja incorporado nas ações da ATES.

Biografia do Autor

José Ubiratan Rezenda Santana, Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA

Analista em Reforma e Desenvolvimento Agrário -Eng. Florestal, Setor de Assessoria Técnica Social e Ambiental - ATES, Divisão de Desenvolvimento.

Maria das Graças Frazão, INCRA

Analista em Reforma e Desenvolvimento Agrário - INCRA

Referências

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Instrução Normativa nº6, de 23 de setembro de 2008.

CAPORAL, F.R. Agroecologia: uma nova ciência para apoiar a transição a agriculturas mais sustentáveis. MDA/SAF, Brasília, v.1, 30 p., 2009.

CEPLAC/SUEPA. Manual técnico do cacaueiro para a Amazônia brasileira. Belém-PA, p.180. 2013.

Downloads

Publicado

2016-05-18

Edição

Seção

IX CBA-Agroecologia / Relatos de Experiências