Do extrativismo ao agroextrativismo: enfoques agroecológicos do Marajó

Autores

  • Jeovani de Jesus Couto Associação das Familias da Casa Familiar Rural de Breves Instituto Federal do Pará- Campus Castanhal

Resumo

A preocupante crise ambiental das últimas décadas tem revelado a falência do paradigma de desenvolvimento econômico pautado na exploração irracional da natureza. A ação humana no meio ambiente, sem observar o equilíbrio ecológico, tem gerado intensa destruição florestal, ampliada pela expansão da agricultura capitalista, sobretudo a partir da revolução verde, atualmente representada em agronegócio. Numa inversão desse modelo que entende a natureza como obstáculo ao progresso e desenvolvimento, vem ganhando força o movimento ambientalista, ecológico em defesa de uma sociedade sustentável, que enfatiza a prática de manejo florestal, a agricultura orgânica, ecológica, valorizando saberes de populações tradicionais, no diálogo e integração com o conhecimento científico. Apresentado como alternativa sustentável e cientificamente viável contra o modo predador de recursos naturais, o enfoque agroecológico ampliou sua margem, sua rede, teia de entidades, organizações e sujeitos que pautam suas práticas de trabalho e produção, saberes tradicionais e científicos, integrando interesses socioeconômicos, experiências culturais e consciência ambiental. No caso da dimensão política, promove e estimula o empoderamento dos atores sociais, em especial os que vivenciam cotidianamente a relação cultura e natureza. Se o movimento agroecológico no Brasil surgiu e se fortaleceu para combater a perspectiva da revolução verde, atualizada na vertente do agronegócio, não podemos generalizar para a realidade da Amazônia, em especial do Marajó, com sua complexa biodiversidade, incluindo florestas, ilhas, rios e campos.

Biografia do Autor

Jeovani de Jesus Couto, Associação das Familias da Casa Familiar Rural de Breves Instituto Federal do Pará- Campus Castanhal

Mestre em Desenvolvimento Rural e Gestão de Empreendimentos Agroalimentares

Referências

COUTO. Jeovani de Jesus. Japiim do Mapuá: Educação Agroflorestal. Instituto Federal do Pará, Campus Castanhal. Programa de Pós- Graduação em Desenvolvimento Rural e Gestão de Empreendimentos Agroalimentares. Caderno Pedagógico ( Produto- Mestrado), ano 2015, 82 pag.

_______________________Entre águas e florestas alternância Pedagógica na Reserva Extrativista do Mapuá. Programa de Pós- Graduação em Desenvolvimento Rural e Gestão de Empreendimentos Agroalimentares. Dissertação (Mestrado), ano 2015, 100 pag.

FREIRE, Paulo. Extensão ou Comunicação? 7ª Ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra,1983

____________. Pedagogia do Oprimido. 17º ed. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1987

GLIESSMAN, Stephen R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável.- 4ª ed. – Porto Alegr: Ed. Universidade- UFRGS,2009.

GUZMÁN, Sevilla Eduardo. A perspectiva agroecológica: Uma sistematização de seus métodos e técnicas agroecológicas e desenvolvimento rural sustentável. Porto Alegre, v3, jan-mar, 2012.

HERRERA, José Antônio. Dinâmica Agrária e Desenvolvimento da Agricultura Familiar: O caso da Vila Amélia- Breves/ Pará. Dissertação ( Mestrado). Universidade Federal do Pará, 119 fls. Belém, 2013.

Downloads

Publicado

2016-05-16

Edição

Seção

IX CBA 5. Construção do Conhecimento Agroecológico