Períodos de controle das plantas espontâneas em sistema de cultivo orgânico de quiabo

Autores

  • Thales Pereira Pires Universidade Estadual do Maranhão
  • Bruna Penha Costa Universidade Estadual do Maranhão
  • Rafael Neves Silva Universidade Estadual do Maranhão
  • Danúzia Badu Gonçalves de Assis Universidade Estadual do Maranhão
  • Maria Rosângela Malheiros Silva Universidade Estadual do Maranhão

Resumo

A pesquisa teve por objetivo avaliar o melhor período de controle da comunidade espontânea em sistema de cultivo de quiabo orgânico sem que haja perdas na produtividade no município de São Luís – MA. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso com quatro repetições e sete tratamentos. Os tratamentos consistiram nos períodos de controle de 7, 14, 21, 28, 35, 42 e 86 dias após o transplantio (DAT). Avaliou-se: Índice de Valor de Importância (IVI) e Período Total de Prevenção a interferência (PTPI). As espécies mais importantes foram Amaranthus retroflexus L. (IVI=54,88), Cynodon dactylon (L.) Pers. (IVI=53,07) 33,08, Phyllanthus niruri(L.) (IVI=29,18) o período de controle das plantas espontâneas deve ser realizado até 43 DAE, após esse período a cultura terá condições de se desenvolver sem sofrer perdas significativas de produtividade.

Biografia do Autor

Thales Pereira Pires, Universidade Estadual do Maranhão

Fitotecnia e Fitossanidade; Área: Ciências Agrárias

Bruna Penha Costa, Universidade Estadual do Maranhão

Fitotecnia e Fitossanidade; Área: Ciências Agrárias

Rafael Neves Silva, Universidade Estadual do Maranhão

Fitotecnia e Fitossanidade; Área: Ciências Agrárias

Danúzia Badu Gonçalves de Assis, Universidade Estadual do Maranhão

Fitotecnia e Fitossanidade; Área: Ciências Agrárias

Maria Rosângela Malheiros Silva, Universidade Estadual do Maranhão

Fitotecnia e Fitossanidade; Área: Ciências Agrárias

Referências

O quiabeiro é uma cultura normalmente cultivada em espaçamentos largos e crescimento inicial lento, o que favorece o surgimento da vegetação espontânea (SANTOS et al., 2010).

Neste contexto, a flora presente assume grande importância quando as espécies da comunidade atuam como protetoras do solo, como hospedeiras alternativas de inimigos naturais, pragas, patógenos ou como mobilizadoras ou cicladoras de nutrientes, competição por água, etc. (PEREIRA; MELO, 2008).

Os dados de produtividade de cada tratamento foram submetidos à análise de regressão pelo modelo sigmoidal de Boltzmann, adaptado por KUVA (2000).

Dada e Fayinminnu (2010) registraram valores de 42 dias após a semeadura para o PTPI também em sistema orgânico.

Downloads

Publicado

2016-05-15

Edição

Seção

IX CBA 3. Sistemas de Produção Agroecológica.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)