Superando o difusionismo: Desafios da formação de extensionistas para uma extensão rural agroecológica

Autores

  • Maria Virginia de Almeida Aguiar UFRPE, Recife, PE - Brasil

Palavras-chave:

educação, extensão rural, agroecologia,

Resumo

O presente artigo se propõe a analisar os desafios atuais da formação de extensionistas que atuam nas entidades de extensão rural que vem colocando em prática projetos propostos no âmbito das chamadas públicas de agroecologia realizadas pela Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural. A partir da análise de uma proposta educativa concreta, concluiu-se que, apesar dos avanços em termos de política pública, ainda há desafios a serem enfrentados por educadores e extensionistas.

Biografia do Autor

Maria Virginia de Almeida Aguiar, UFRPE, Recife, PE - Brasil

Graduação em Agronomia (1990) e especialização em Educação Ambiental (1994) pela Universidade Federal de Mato Grosso e doutorado em Agroecologia, Sociologia y Desarrollo Rural Sostenible pela Universidade de Córdoba/Espanha (2007), reconhecido pelo Programa de Posgraduação em Desenvolvimento Rural da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008). Trabalhou ultimamente como consultora - Programas das Nações Unidas para o Desenvolvimento no Brasil e no Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura em projetos voltados para a agricultura familiar vinculados ao Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ministério do Desenvolvimento Agrário/Secretaria da Agricultura Familiar. Atualmente é professora de Extensão Rural na Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Referências

AGUIAR, M. V. de A. Educação e Agroecologia - que formação para a sustentabilidade? Revista Agriculturas, v. 7, nº 4, pp. 4-6, dez 2010.

AGUIAR, M. Virginia de A. Educação em Agroecologia: pontos para o debate a partir da experiência do Núcleo de Agroecologia e Campesinato da UFRPE. Brasília, MDA, 2014 (no prelo).

ALTIERI, M. Agroecologia. As bases científicas da agricultura alternativa. Rio de Janeiro: ASPTA, 1989.

ANA. Detalhamento de algumas ações prioritárias para a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. [Rio de Janeiro, 2012]. Disponível em www.agroecologia.org.br/index.php/publicacoes/temas-prioritarios/politicas-publicas-com-enfoque-agroecologico/ana-detalhamento-de-algumas-aes-prioritarias-pnapo-doc/download.

AZEVEDO, T. Rede ATER/NE se reúne para atividade de formação sobre agroecossistemas camponeses. Cetra, 2014. Disponível em www.cetra.org.br /noticia/164-rede-ater-ne-se-reune-para-atividade-de-formacao-sobre-agroecossistemas-camponeses.

BOURGEOIS, A. O estabelecimento agrícola visto como sistema. In: REYNAL, V. de, MUCHAGATA, M. G., CARDOSO, A. (Orgs.). Funcionamento do Estabelecimento Agrícola. Belém: DAZ/NEAF/UFPA, 1995. (Apostila do curso de especialização em Agriculturas Familiares Amazônicas e Desenvolvimento Agro-ambiental).

CAPORAL, F. R. Bases para uma nova Ater pública. Revista Extensão, n°10, Jan/Dez 2003.

CONWAY, G. R. Análise participativa para o desenvolvimento agrícola sustentável. RJ: ASPTA, 1983.

REDE ATER NORDESTE. Proposta de caracterização dos agroecossistemas nas Chamadas de Ater-Agroecologia. [Rio de Janeiro, 2014]. 10p.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2011

Downloads

Publicado

2016-05-16

Edição

Seção

IX CBA 5. Construção do Conhecimento Agroecológico

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>